Série sobre a morte de Daniella Perez pretende "dar a justiça que ela tanto merece", diz diretora - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Crime que chocou o país24/09/2021 | 08h29Atualizada em 24/09/2021 | 08h37

Série sobre a morte de Daniella Perez pretende "dar a justiça que ela tanto merece", diz diretora

Produção deve estrear em 2022, quando o feminicídio da atriz completa 30 anos

Série sobre a morte de Daniella Perez pretende "dar a justiça que ela tanto merece", diz diretora Instagram @gloriafperez / Divulgação/Divulgação
Produção destacará a luta por justiça da autora Gloria Perez, mãe de Daniella Foto: Instagram @gloriafperez / Divulgação / Divulgação
GZH
GZH

A história do feminicídio da atriz Daniella Perez, que chocou o país na década de 1990, vai virar uma série do serviço de streaming HBO Max. Conforme a diretora da produção, Tatiana Issa, a produção oferecerá justiça à memória da artista e reverência à luta da autora Gloria Perez, mãe de Daniella. A jovem foi assassinada aos 22 anos pelo ator Guilherme de Pádua, seu par romântico na novela De Corpo e Alma, em crime planejado por ele e a esposa, Paula Thomaz.

"Essa série é uma declaração de amor à Gloria Perez, uma mulher guerreira, uma mãe que nunca desistiu de lutar pela justiça da filha assassinada de forma tão brutal. Uma mulher que conseguiu mudar uma lei no país pela sua força e dor imensurável. Essa série trata de tópicos importantes como o feminicídio, a culpabilização da vítima, o circo midiático, os detalhes do crime, etc, mas, sobretudo, conta a história da luta de uma mãe, que mesmo depois de 30 anos, continua lutando como uma leoa", escreveu Tatiana em seu perfil no Instagram. "Vamos de mãos dadas dar a nossa Dany a justiça que ela tanto merece". 

A série reunirá depoimentos de Gloria Perez, do então marido de Daniella, o ator Raul Gazolla, e de amigos próximos da atriz, como Fábio Assunção, Claudia Raia, Cristiana Oliveira, Maurício Mattar, Wolf Maya e Eri Johnson. Além disso, serão analisados os autos do processo e ouvidos advogados e autoridades que lidaram com o caso na época.

Conforme informações da jornalista Patricia Kogut, colunista do jornal O Globo, as gravações se iniciaram na segunda-feira (20). A história deve ser contada em cinco episódios, com lançamento previsto para 2022, quando o crime completa 30 anos. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros