Cauã Reymond diz já ter sofrido assédio moral e sexual no trabalho: "Até hoje acontece" - Entretenimento

Versão mobile

 
 

"Ficava desconfortável"24/11/2021 | 13h26Atualizada em 24/11/2021 | 13h27

Cauã Reymond diz já ter sofrido assédio moral e sexual no trabalho: "Até hoje acontece"

Ator e modelo ainda ressaltou que "não dá para comparar" com as situações vividas por mulheres: "Existem vulnerabilidades físicas e históricas"

Cauã Reymond diz já ter sofrido assédio moral e sexual no trabalho: "Até hoje acontece" @cauareymond Instagram / Reprodução/Reprodução
"Uma situação que era considerada engraçada antigamente, hoje pode ser encarada como assédio", refletiu Cauã Reymond em entrevista Foto: @cauareymond Instagram / Reprodução / Reprodução

O ator e modelo Cauã Reymond, atual protagonista da novela das nove Um Lugar ao Sol, revelou já ter sofrido assédio moral e sexual ao longo da carreira. Em entrevista à revista Ela, do jornal O Globo, publicada nesta quarta-feira (24), o artista contou que precisou desenvolver um "jogo de cintura" para lidar com esse tipo de situação. Também ressaltou que "não dá para comparar" com as experiências vividas por mulheres. 

— Já passei por tanta coisa. E, com o tempo, desenvolvi um jogo de cintura. Com esses movimentos que estão acontecendo, começo a questionar algumas coisas pelas quais passei. Não dá para comparar o assédio vivido por uma mulher e o assédio vivido por um homem. Existem vulnerabilidades físicas e históricas. Mas penso que uma situação que era considerada engraçada antigamente, hoje pode ser encarada como assédio. Quando era modelo, sofri muito assédio moral, sexual… Ficava desconfortável na hora, mas saía no humor — contou.

Em seguida, relatou que ainda acontece, mesmo com a notoriedade que ganhou com a fama ao longo dos anos.

— Até hoje acontece. Outro dia mesmo aconteceu, numa sessão de fotos. Fui embora incomodado. É normal, num tumulto, alguém passar a mão na bunda. Não é isso. Estou falando de algo intencional. Tipo em ensaio fotográfico, quando alguém tira proveito enquanto está ajeitando a sua roupa. Ainda estou elaborando. Como falar na hora de um jeito legal, que não seja bélico? Estou falando de assédio no trabalho. Não é de fã — frisou.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros