Corpo de Marília Mendonça é enterrado em Goiânia após velório reunir multidão - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Despedida07/11/2021 | 12h31Atualizada em 07/11/2021 | 12h35

Corpo de Marília Mendonça é enterrado em Goiânia após velório reunir multidão

Sepultamento foi restrito a família e amigos

Corpo de Marília Mendonça é enterrado em Goiânia após velório reunir multidão EVARISTO SA / AFP/AFP
Foto: EVARISTO SA / AFP / AFP
GZH
GZH

A cantora Marília Mendonça, morta em um acidente de avião, foi enterrada por volta das 19h deste sábado (6), no cemitério Parque Memorial Goiânia, junto ao seu tio e assessor Abicieli Silveira Dias Filho. 

Em um caminhão do Corpo de Bombeiros, os caixões foram levados do ginásio Goiânia Arena, onde ocorreu o velório, até o cemitério. Em cima do veículo, estavam familiares e a dupla Maiara e Maraisa. 

O cortejo foi acompanhado por multidão, inclusive por dezenas de ônibus de cantores sertanejos, como os de Simone e Simaria, Israel e Rodolffo e Vitor e Lua. O trajeto de 10 quilometros durou uma hora e meia.

Os corpos chegaram no cemitério às 18h29min, onde a cerimônia de sepultamento foi restrita para familiares e amigos. Marília e o tio foram enterrados às 19h05min deste sábado. 

Homenagens e respeito

Desde o início da manhã, em frente ao ginásio Goiânia Arena, admiradores choravam e cantavam as canções compostas por Marília Mendonça. Eduardo de Sousa, de 17 anos, encontrou amigos, também fãs da cantora. O choque, para todos eles, ainda não tinha passado. 

— Marília estava comigo todos os dias. Como vou de bicicleta para o trabalho, sempre costumava colocar as músicas dela durante o trajeto. Ela estava no auge da carreira. Na primeira vez que vi a notícia da morte, não acreditei. A dor foi como se fosse um parente meu — lamentou o jovem.

Com bandeiras do Brasil, vendidas no local, penduradas nas costas como uma capa, fãs simbolicamente tentam representar o peso que Marilia Mendonça teve para a música brasileira. 

— Ela representa o Brasil. Já esteve em todos os Estados e nos representou no Grammy Latino — diz Bia Duarte, de 15 anos, que encontrou o amigo Eduardo no local.

No local, os admiradores falavam em tom de voz baixo e aproveitaram o momento para conversar sobre o impacto da cantora em suas vidas. Com 34 anos, Camila Ribeiro relatou que, desde que soube do acidente, não conseguiu conter as lágrimas. Sentada em frente ao Goiânia Arena, não foi diferente. 

— A única coisa que consigo dizer é que cada música dela representa uma fase diferente de minha vida — desabafou.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca