Batalha desde sempre: conheça Laddy Dee - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Estrelas da Periferia14/12/2021 | 10h33Atualizada em 14/12/2021 | 10h33

Batalha desde sempre: conheça Laddy Dee

Rapper começou a carreira aos 13 anos, vive de faxinas e cursa música na Ufpel.

Batalha desde sempre: conheça Laddy Dee Produtora Vizul / Divulgação/Divulgação
Foto: Produtora Vizul / Divulgação / Divulgação

Aos 40 anos, Daiane Vieira Moraes,  moradora da zona da Várzea, no bairro São Gonçalo, em Pelotas, começa, aos poucos, a realizar seus sonhos no mundo da música. Mas não sem muita batalha, claro. Hoje, Daiane, que usa o nome artístico de Laddy Dee, já gravou clipe, da canção Cria do Gueto, disponível nas plataformas digitais da artista e vem fazendo shows pela região. Porém, essa realidade era bem diferente quando Lady começou sua carreira, em 1997.

Inspirada em grandes nomes do rhythm and blues e do rap, ela começou sua trajetória cantando no coral da igreja Sagrado Coração de Maria, em Pelotas. Na época, entrou no grupo Mente Aberta, como backing vocal. Depois, ao lado das parceiras Preta G e Juliana Moreira, fundou o DMIX Charme Rappers, um dos primeiros grupos de rap da cidade. Além disso, é filha de Maria Cristina Vieira, primeira mulher a fundar e assumir a liderança de uma escola carnavalesca em Pelotas, a Dona da Noite. 

- Sou compositora desde os 13 anos, sempre representando a mulher e a negritude - afirma.

Conheça outras histórias da seção

Porém, com as dificuldades de viver de música, com 14 anos, Laddy começou a trabalhar com faxinas, profissão que segue até hoje conciliando com a música. 

Sonho realizado

Após o falecimento de sua mãe, em 2011, Laddy assumiu a secretaria da escola e se tornou intérprete da banda.  Em 2019, em paralelo ao seu trabalho na música e com as faxinas, ela realizou um de seus grandes sonhos: ingresso no curso de música, na Universidade Federal de Pelotas (Ufpel).

- Mesmo com todas as dificuldades impostas nesses anos todos, de machismo na cena do rap, eu fui adiante - afirma Laddy, que acabou optando pelo rap para a sua carreira. 

Neste ano, finalmente, ela conseguiu gravar seu primeiro clipe, da faixa que citamos no começo desta matéria, que foi lançada em outubro.  Com recursos da Lei Aldir Blanc, criada na pandemia para socorrer a classe artística, Laddy conseguiu colocar em prática o clipe, que já tem mais de cinco mil visualizações, um número expressivo para uma artista independente, do interior do Estado. Lançou, ainda, outro clipe, da faixa Nossa Trajetória. 

- Defendo as raízes afros, sou negra com muito orgulho. Pelas minhas condições, era muito difícil prosperar. Sem contar os atos machistas deste meio. Mas eu consegui - celebra. 

Pitaco

Adriano Brasil fala sobre o trabalho da rapper:

- Grande vocalista, o trabalho dela é excelente. Batalhadora nata, merece todo o reconhecimento que vem tendo, no meio do rap.

Aqui, o espaço é todo seu

- Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas e vídeos e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.

- Para falar com a artista, ligue para (53) 99926-3837.




 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros