Como lidar com as consequências de um aborto - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Falando de Sexo06/12/2021 | 14h17Atualizada em 06/12/2021 | 14h17

Como lidar com as consequências de um aborto

É natural que ocorra um período prolongado de incerteza e sofrimento

Como lidar com as consequências de um aborto Reprodução / Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução / Reprodução
Lucia Pesca e Andrea Alves

No ano passado, sofri um aborto espontâneo. Fiquei arrasada na ocasião, acho que tive até depressão. Após um ano desta perda, eu ainda me vejo triste em muitos momentos. As pessoas dizem que eu estou exagerando, mas é assim que me sinto. O meu marido também ficou triste, mas agora ele vive pedindo para a gente engravidar novamente. Eu tenho muito medo de passar por tudo isso outra vez. Às vezes, evito transar por medo de engravidar. O que estou vivendo é normal?

Amiga, é normal se sentir assim! Perder uma gravidez pode ser um acontecimento doloroso: às vezes, leva à depressão e a sintomas de estresse pós-traumático, um quadro que inclui pensamentos indesejados, pesadelos ou ainda a vontade de evitar qualquer coisa que lembre o aborto. 

Afinal, a interrupção espontânea da gravidez envolve não apenas a perda de um filho desejado, mas também pode desafiar o senso de controle do indivíduo sobre a vida e representar uma ameaça aos planos familiares.

Leia outras colunas

Período de incertezas

Além do mais, o aborto espontâneo pode envolver sintomas de desconforto físico, como dores ou sangramento, bem como intervenções médicas. Portanto, é natural que ocorra esse período prolongado de incerteza enquanto você amadurece a ideia de tentar engravidar outra vez. É uma perda significativa, em contraste com as esperanças e alegrias de aumentar sua família. Estas são perdas reais, e as pessoas devem levar seus próprios sentimentos a sério, mesmo que os outros não façam isso. 

O parceiro também precisa reconhecer seus sentimentos sobre a perda precoce da gravidez, que é uma experiência abstrata para ele: acontece com o corpo da mulher, não com o dele. Procure uma terapia para reenquadrar pensamentos inúteis, aceitar suas sensações e encontrar maneiras de voltar a se engajar em atividades que lhe trazem alegria e um senso de significado, para lidar com a dor emocional da perda.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros