Como conviver com a esclerose múltipla - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Falando de Sexo11/01/2022 | 18h01Atualizada em 11/01/2022 | 18h01

Como conviver com a esclerose múltipla

Nessas horas, o diálogo é muito importante

Como conviver com a esclerose múltipla Reprodução / Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução / Reprodução
Andrea Alves e Lucia Pesca

Olá, tenho esclerose múltipla e, entre outras coisas, fico muito chateada de não ter mais vontade de transar. Eu sempre gostei muito, mas agora fico cansada, me sinto feia, fico com vergonha do meu corpo e tenho medo de que meu parceiro enjoe de mim. Gurias, tem algo para me ajudar?

Querida amiga, de acordo com pesquisas, a resposta sexual, como excitação e orgasmo, pode ser afetada por danos ao sistema nervoso central, assim como a fadiga e depressão. Um estudo descobriu que a maioria das pessoas com esclerose múltipla tem problemas como falta de interesse sexual (42% das mulheres) e dificuldade de ereção (40% dos homens). 

O estudo também observou que a disfunção sexual foi afetada pela depressão e fadiga. 

Leia outras colunas

Diálogo

Sabemos que muitas pessoas com EM não se veem mais como sexualmente desejáveis, e isso afeta suas vidas e os relacionamentos. Embora seja difícil, falar sobre o assunto - tanto com seu parceiro quanto com seu médico - é o primeiro passo para retomar a vida sexual sem preocupações.

Planeje um tempo sem distrações e coordene seus medicamentos para evitar quaisquer sintomas que possam interferir no sexo. O uso de um lubrificante a base de água para a secura vaginal pode melhorar o prazer e aliviar o desconforto. Você também pode considerar o uso de um vibrador para aumentar a estimulação e excitação. A terapia individual ou de casal pode ajudar bastante ambos os parceiros.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros