Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal do Rio e levado em carro aberto pela cidade - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Despedida21/01/2022 | 08h42Atualizada em 21/01/2022 | 08h47

Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal do Rio e levado em carro aberto pela cidade

Cerimônia, que começa fechada para familiares e amigos, será aberta ao público às 10h

Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal do Rio e levado em carro aberto pela cidade Adriana Franciosi / Agencia RBS/Agencia RBS
Cantora morreu na quinta-feira, aos 91 anos Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS / Agencia RBS
GZH
GZH

O corpo de Elza Soares, que morreu na quinta-feira (20), aos 91 anos, será velado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A cerimônia começa fechada para familiares e amigos próximos, das 9h às 10h desta sexta (21). Depois desse horário, será aberta ao público até as 14h.

Segundo informações do portal G1, um carro aberto do Corpo de Bombeiros levará o corpo da cantora pela Avenida Atlântica, onde ela morou por muitos anos, até o Cemitério Jardim da Saudade, na zona oeste da capital fluminense. O velório será na Capela VIP, às 15h — também restrito a familiares e amigos —, e o sepultamento ocorre no setor do Cristo Redentor, às 16h. 

A morte de Elza Soares foi confirmada na tarde passada pela assessoria de imprensa da cantora, por meio de uma nota: 

"É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", disse o comunicado. 

 Elza se dedicou ao samba nos anos 1960, mas depois também se aproximou do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e sempre enfatizou que a mistura é proposital. Ao longo da carreira, lançou 34 dias, o último deles Planeta Fome, em 2019. 

Há seis anos, a artista se definiu como "a mulher do fim do mundo", lançando um álbum que levava justamente este nome. Com esta obra, viveu o seu mais recente renascimento artístico. Inclusive, em um verso da música que batiza o disco, a artista bradou: "Me deixem cantar até o fim". E foi o que aconteceu, uma vez que Elza, mesmo já nonagenária, seguia com uma agenda de shows ativa.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros