"BBB 22": suspeito de ataques racistas contra ator Douglas Silva será ouvido nesta terça-feira, em Porto Alegre - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Investigação01/02/2022 | 11h14Atualizada em 01/02/2022 | 11h14

"BBB 22": suspeito de ataques racistas contra ator Douglas Silva será ouvido nesta terça-feira, em Porto Alegre

De acordo com as autoridades, o homem seria morador do Rio Grande do Sul, possivelmente de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos

"BBB 22": suspeito de ataques racistas contra ator Douglas Silva será ouvido nesta terça-feira, em Porto Alegre Reprodução Instagram / @dsilvaoficial/@dsilvaoficial
Ator Douglas Silva Foto: Reprodução Instagram / @dsilvaoficial / @dsilvaoficial

O suspeito de fazer ataques racistas contra o ator Douglas Silva, participante do BBB 22, será ouvido na Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância, em Porto Alegre, nesta terça-feira (1º). A investigação acontece no Rio de Janeiro, mas em virtude de uma carta precatória, ele será ouvido no Rio Grande do Sul. O depoimento deverá complementar o inquérito.

De acordo com as autoridades, o homem seria morador do Rio Grande do Sul, possivelmente de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, e integrante de um grupo nazista que planeja ataques contra judeus, negros e homossexuais. 

A Polícia Civil do RS já tinha apreendido celulares e computadores do suspeito na última sexta-feira (28). Os materiais foram encaminhados para a perícia. 

Conforme a delegada Andréa Mattos, titular da Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância, ele poderá responder pelos crimes de racismo, ameaça e terrorismo.

— Já tem um inquérito aberto contra ele em virtude de outras ameaças, mas amanhã (terça) vou questionar sobre os ataques racistas ao participante do BBB 22, e, dependendo do que ele disser, o interrogatório será usado para complementar o inquérito que corre na Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância — destaca a delegada. 

GZH tenta contato com a defesa do investigado.

Mais um suspeito

Ainda segundo Andréa, outro suspeito de integrar o mesmo grupo também teve celulares e computadores apreendidos e foi preso preventivamente na sexta-feira. A confirmação de troca de mensagens entre eles será realizada após o retorno da perícia. 

Ele fez publicações na internet com saudação nazista, queimou uma bandeira que representa a comunidade LGB++ e uma foto de George Floyd, homem negro morto por policiais nos Estados Unidos.

A defesa dele afirma que está colaborando com as autoridades e que não concorda com a prisão preventiva.


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca