Tomei a vacina e testei positivo: e agora? Especialista esclarece dúvidas sobre sintomas e reações adversas - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Covid-19 03/02/2022 | 08h19Atualizada em 03/02/2022 | 08h19

Tomei a vacina e testei positivo: e agora? Especialista esclarece dúvidas sobre sintomas e reações adversas

Não tem sido incomum a pessoa descobrir que está com a doença no dia em que recebeu a vacina ou pouco depois

Tomei a vacina e testei positivo: e agora? Especialista esclarece dúvidas sobre sintomas e reações adversas Antonio Valiente / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS / Agencia RBS

Com o avanço veloz da variante Ômicron e tanta gente testando positivo para o coronavírus, em plena campanha de imunização contra a covid-19, não tem sido incomum as duas coisas se sobreporem: a pessoa descobre que está com a doença no dia em que recebeu a vacina ou pouco depois. A eficácia da dose fica comprometida?

Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), garante que não há motivo para preocupação. Esses episódios também ocorreram em ondas prévias da pandemia, com outras cepas. 

— Quem se vacinou e estava com covid (sem saber) pode relaxar 100%. Não se espera interferência na resposta à vacina — comenta Isabella, médica pediatra. — Nem a doença interfere na vacina, nem a vacina pode interferir na evolução da doença, agravando o quadro — acrescenta. 

Nenhum dos imunizantes em uso contra a covid-19 utiliza vírus atenuado, apenas inativado — ou seja, não é possível desenvolver a enfermidade a partir da vacina. Mas, pode, sim, surgir a dúvida: o que estou sentido é reação adversa da dose recebida ou sintoma de covid?

Em geral, eventuais efeitos adversos — febre, dores no corpo, dor de cabeça, mal-estar, sensação de corpo pesado — desaparecem em 24 horas após a picada, enquanto que, em algumas situações, podem se estender por até 72 horas. São raros os casos, e específicos de acordo com a fórmula de cada laboratório, de reações que surgem até duas semanas depois. 

A “mistura” acontece: um paciente acredita que tudo é decorrente da vacinação, mas pode estar apresentando sinais da infecção pelo sars-cov-2. Nestes casos, serve a dica: vacina contra a covid-19 não provoca dor de garganta, por exemplo. Na dúvida, é preciso procurar orientação especializada. 

— Com a Ômicron, temos observado muitos casos só com dor de garganta, só com nariz entupido. Valorize esses sintomas, não os minimize. Você sempre deve desconfiar de covid neste momento. Fique em casa nesse primeiro dia — alerta Isabella.

É importante, segundo a vice-presidente da SBIm, não procurar testagem por conta própria — o resultado pode ser um falso negativo — ou ir direto para um serviço de emergência. Converse com um médico e tire as dúvidas. 

Quem passa pela covid-19 precisa aguardar um mês (a ser contado do primeiro dia de sintomas ou da coleta de amostra para o exame) para tomar a vacina contra a doença. A medida vale para qualquer faixa etária. Quanto à vacinação da população infantil, iniciada recentemente no Brasil, pede-se que seja respeitado o intervalo de duas semanas entre a vacina da covid e qualquer outra dose prevista no calendário. Essa prática já valeu para os adultos no ano passado e não é mais necessária.

— Hoje já conhecemos bem os efeitos adversos das vacinas para não confundir os efeitos _ explica Isabella. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros