Dispareunia: dor durante a relação não é normal - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Falando de Sexo17/05/2022 | 13h23Atualizada em 17/05/2022 | 13h23

Dispareunia: dor durante a relação não é normal

Pesquisas revelam que metade das mulheres sofre com o problema

Dispareunia: dor durante a relação não é normal Reprodução / Reprodução/Reprodução
Foto: Reprodução / Reprodução / Reprodução
Andrea Alves e Lucia Pesca

Gurias, todo mundo fala sobre sexo se gabando, mas ninguém comenta sobre desconfortos na hora H. Eu sinto falta de conversar a respeito disso, porque sinto dores durante a penetração.

Amiga, se falar sobre sexo em geral é difícil, imagine abordar problemas relacionados ao tema. O sexo doloroso ainda é um tabu. Além disso, a normalização da dor durante a transa pode ser uma razão pela qual as mulheres relutam em discutir o assunto com seus médicos ou com qualquer pessoa. 

Às vezes, uma mulher sente dor ao fazer sexo durante um tempo e continua, pois acredita que a situação vai melhorar. Isso está errado, porque faz as pessoas pensarem que não há problema em sentir dor no sexo. Um estudo, publicado em dezembro de 2019 nos Estados Unidos, descobriu que cerca de 50% das mulheres, de 14 a 49 anos, não disseram ao parceiro que sentiam dor durante o sexo. Outra pesquisa mostrou que aquelas que achavam o sexo doloroso também tinham problemas para falar sobre isso com seus pares. 

Leia outras colunas

Dispareunia

Tecnicamente, o sexo penetrativo doloroso é chamado de dispareunia, algo que acontece com três em cada quatro mulheres em algum momento de suas vidas. Para algumas, é um problema temporário, mas outras lidam com isso a longo prazo. De acordo com um estudo de 2017, realizado na Grã-Bretanha, a dispareunia é mais comum entre jovens (16 a 24 anos) e mulheres mais velhas (55 a 64 anos).

Algumas pessoas não falam sobre sexo doloroso, porque não querem que o parceiro se sinta responsável por isso. Porém, se não houver diálogo, você não só continuará sofrendo, mas seu relacionamento também poderá ruir. Se não discutir os problemas sexuais, pode gerar espaço para seu par tirar suas próprias conclusões sobre a causa das disfunções sexuais. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros