Hard core e influência do Kiss: conheça Berlin - Entretenimento

Versão mobile

 
 

Estrelas da Periferia05/07/2022 | 13h15Atualizada em 05/07/2022 | 13h15

Hard core e influência do Kiss: conheça Berlin

Músico gaúcho também é tatuador e acaba de lançar seu primeiro EP. 

Hard core e influência do Kiss: conheça Berlin Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Vocalista do Kiss é referência para Anderson Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Desde a infância, Anderson Rocha, morador do Sarandi, zona norte de Porto Alegre, tinha uma paixão pela bateria. Com o passar do tempo, foi tendo várias influências, não só musicais, do que faria na vida. Chegou a cursar Jornalismo, mas desistiu para ser tatuador. Também já quis ser policial, profissão de seu pai.

- Comecei a tocar com 14 anos de idade quando ganhei minha primeira guitarra de natal, do meu avô. Sempre tive apoio e incentivo a arte. Eu sempre quis ser baterista. Mas, quando vi Paul Stanley, do Kiss, tocar cantar pela primeira vez, me identifiquei na hora. É um estilo bem diferente do que faço hoje, mas foi a primeira banda que gostei e carrego sempre comigo - afirma o músico, que tem 33 anos. 

Na adolescência, ele lembra, conheceu o skate e logo vieram outras influências da galera que vive em cima das rodinhas: bandas de hard core e o pop punk, como Blink-182 , Good Charlotte, Milencollin e Charlie Brown Jr.

- E, então, ali foi onde percebi que a sonoridade que eu tanto buscava pra tocar e fazer estava naquelas bandas. Desde meus 14 anos, nunca mais fiquei um dia sem tocar - lembra Anderson, cujo nome artístico, atualmente, é Berlin.

Leia outras histórias da seção

Pandemia acelerou projeto

Desde 2012. Berlin toca profissionalmente e concilia a música com a atividade de tatuador, outra paixão sua. O gaúcho seguiu tocando em casas do gênero em Porto Alegre e no Interior, durante anos, até que chegou 2020 e a pandemia.

-  E com a pandemia, tudo literalmente parou. E eu sentia uma vontade muito grande de colocar um projeto novo, solo na rua, que tivesse 100% a minha cara. Eu componho desde muito cedo, desde quando eu nem sabia realmente tocar um instrumento. Sempre coloquei no meu som letras, temas e sonoridades que eu gostaria de ouvir e as pessoas acabaram se identificando. E isso é muito legal - comenta Berlin.

Então, ele começou a compor seu novo trabalho, o EP batizado de Depois do Início, Tudo é Fim, cujo primeiro single é a faixa Nada é em Vão, que já está disponível em todas as plataformas digitais.

- Montei e desmontei bandas ao longo desta estrada, com essas influências. Agora, estou na estrada, divulgando esse projeto, que é a minha cara - finaliza. 

 Pitaco

O produtor Diego Garcia fala sobre Berlin:

- Tem muita atitude e vive um belo momento na carreira. Está preparado para grandes festivais!

- Para falar com o músico, ligue para 985017757.

- Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho 

/p>
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros