Cacalo: "Comemora, torcedor gremista" - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

Paixão tricolor30/11/2017 | 07h00Atualizada em 30/11/2017 | 07h00

Cacalo: "Comemora, torcedor gremista"

 Não podemos conter nosso orgulho com a grandeza da nossa equipe, de nosso clube imortal, cada vez mais imortalizado.

Cacalo: "Comemora, torcedor gremista" RODRIGO RODRIGUES/Grêmio/Divulgação
Foto: RODRIGO RODRIGUES / Grêmio/Divulgação
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

É indescritível, sob todos os aspectos o tamanho da festa tricolor. Pode extravasar, torcedor, que tu torces para o clube mais vezes campeão da América neste país do futebol. Logo tu, torcedor, que proporcionaste show de paixão e apoio ao teu clube no estádio do Lanús, que lotaste a Arena gremista numa noite em que havia somente um telão e que superlotaste a Avenida Goethe, dando uma demonstração de força com caráter mundial. Não podemos conter nosso orgulho com a grandeza da nossa equipe, de nosso clube imortal, cada vez mais imortalizado. Não considero nosso clube maior do que nenhum outro, mas é muito diferente ser gremista. É inexplicável nossa alegria, nossa felicidade, nosso reconhecimento a este clube extraordinário e dono dos nossos corações.

MÉRITO DO ELENCO

Nossos heróis estiveram dentro do campo. Marcelo Grohe não chegou a trabalhar muito, mas foi um dos artífices da campanha. Edilson foi um guerreiro que apareceu nos momentos decisivos. Pedro Geromel, zagueiraço que deveria estar na seleção brasileira, e Kannemann, um gigante. Cortez, regular e responsável, e Jailson e Michel, cumpridores em nome do coletivo. Arthur, diferenciado, cotado para a seleção. Luan, craque do time. Fernandinho, de muita utilidade em momentos fundamentais. Ramiro, suando sangue pelo tricolor. Barrios, centroavante que decidiu. E ainda Bressan, confirmando sua valentia, sua força de vontade, seu espírito vencedor. Cícero decidiu a primeira partida das finais e Rafael Thyere sempre deu conta do recado. Foram nossos heróis nesta partida final, mas o elenco integral mereceu o título. O Grêmio é o maior clube da América. 

RENATO, O INIGUALÁVEL

A conquista é um capítulo especialíssimo para o nosso supercraque Renato. Único no país a ser campeão como atleta e como técnico. Organizou o time, estabeleceu uma estratégia vitoriosa, preservou, apostou, assumiu, dignificou mais uma vez a camisa tricolor, teve o apoio de todos e correspondeu. Renato é um vencedor. Renato é a cara do Grêmio, representa o espírito ganhador desse clube, a imortalidade gremista. Estendo a todos da comissão técnica, Alexandre, Rogério, o professor Rogério Godoy, o homem que colocou Marcelo Grohe a voar no gol gremista. Enfim, todos os profissionais gremistas são vencedores.

Merecem todos os cumprimentos o presidente Romildo Bolzan e o Vice de  Futebol Odorico Roman, brilhantes gestores, únicos tricampeões da América, que definitivamente entram para a Historia do Grêmio e do futebol nacional. Esse é o tricampeão da América, o maior do país. Grêmio, mil vezes Grêmio.

Comemora torcedor.


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros