A maratona de Marcelo Grohe após dar o título da Recopa ao Grêmio - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Campeão23/02/2018 | 07h35

A maratona de Marcelo Grohe após dar o título da Recopa ao Grêmio

Após a conquista, goleiro teve dia com poucas horas de sono e muitas entrevistas

A maratona de Marcelo Grohe após dar o título da Recopa ao Grêmio Mateus Bruxel/Agencia RBS
Defesa de Grohe deu o bi da Recopa ao Grêmio Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Ao defender o pênalti de Benítez e garantir o bi da Recopa para o Grêmio, à 0h30min de quinta-feira, Marcelo Grohe deu início a uma maratona com poucas horas de sono e muitas entrevistas. O goleiro, que foi o mais solicitado na zona mista da Arena após a partida, atendeu os veículos do Grupo RBS pela manhã e no início da tarde. Depois, seguiu ao CT Luiz Carvalho para treinar.

Leia mais
Duda Kroeff indica mais um diretor para o departamento de futebol do Grêmio
Grêmio encaminha renovação com promessa da base
"Procuradores estão forçando", diz vice do Sport sobre negócio com o Grêmio por André

Antes, contudo, Grohe teve uma noite longa. O ponto alto, claro, foi no gramado da Arena. Após a defesa do pênalti, com o estádio pulsando em festa, o goleiro ganhou um abraço afetuoso do técnico Renato, que fez uma profecia antes da decisão na marca da cal:

— Falei ao Marcelo que ao menos uma cobrança ele ia pegar — revelou o treinador após a conquista.

Passada a festa no gramado e a volta olímpica no estádio com a taça na Recopa, Grohe também foi cumprimentado por Mazaropi, ex-goleiro campeão da América e do Mundo em 1983, no caminho para o vestiário. Com uma faixa branca na cabeça com os dizeres "a glória é de Deus", Grohe falou sobre a tensão que viveu na cobrança decisiva de Benítez.

— Eu já estava angustiado por não ter pegado nenhum pênalti. Foi emocionante quando consegui fazer a defesa — contou.

Depois de deixar a Arena com a família, Grohe só conseguiu dormir às 8h da manhã. Mas às 11h já estava nos estúdios da Rádio Atlântida para participar do programa "Bola nas Costas". Ali, relembrou sua trajetória no Grêmio antes de brilhar nos últimos anos. Citou a reserva de Dida, em 2013, como o momento mais complicado na carreira. Na metade daquele ano, por detalhes não acertou sua saída ao Vasco. Mas sua persistência foi recompensada.

— Quando ele (Dida) veio, foi difícil no começo. Eu tinha jogado quase todo o Brasileirão em 2012 e tinha expectativa de sequência. Mas pensei em aguentar aquele ano e ver o que aconteceria — contou o goleiro.

Depois de quase uma hora de entrevista, Grohe cruzou o corredor e ingressou no estúdio da Rádio Gaúcha para participar do programa Esportes ao Meio-Dia, apresentado por Cléber Grabauska. E, lá, o goleiro revelou uma das técnicas que utiliza para pegar pênaltis.

— O Renato pede para tentar esperar um pouquinho, mas é difícil ficar parado lá no meio. Na hora da cobrança, tento esperar o máximo. Naquele momento ali, vale a intuição e a observação do enquadramento do corpo de quem vai bater — detalhou Grohe.

O goleiro também citou o trabalho que teve ao estudar o estilo de cobrança de pênaltis dos atletas do Independiente. Mas, na hora decisão, precisou de ajuda do preparador Rogério Godoy para associar as análises aos cobradores.

— A gente recebe o material do Centro Digital de Dados. Por não conhecer tanto os jogadores, ficou meio confuso. Mas, na hora, o Rogério estava com uma folhinha e a gente tentou dar uma recapitulada — explicou.

Depois da participação na Rádio Gaúcha, Grohe subiu o Morro Santa Teresa para participar do programa Globoesporte, na RBS TV. E trocou brincadeiras com Pedro Geromel, que estava ao seu lado no estúdio.

— Os mais velhos respondem primeiro — sorriu, ao repassar uma questão da apresentadora Alice Bastos Neves ao zagueiro.

Ao rever as imagens da conquista da Recopa, o goleiro mostrou satisfação por poder proporcionar uma nova alegria aos torcedores. E também respondeu sobre suas chances de jogar a Copa da Rússia pela Seleção Brasileira. Afinal, o técnico Tite estava nos camarotes da Arena e viu de perto seu desempenho contra o Independiente.

— O sonho de qualquer jogador é disputar uma Copa. O que vai acontecer só o Tite sabe, a gente faz nosso trabalho da melhor forma possível — comentou Grohe, antes de destacar o papel de Renato no momento que o Grêmio vive:

— É um cara que abraçou o nosso grupo. Somos fechados com ele e ele é fechado com a gente.

Depois das entrevistas, Grohe almoçou em casa e seguiu ao CT para treinar com o grupo. A maratona só encerraria às 22h, quando se apresentou no hotel Laghetto Viverone para iniciar a concentração para o jogo com o Novo Hamburgo. Depois do título da Recopa, livrar o Grêmio do rebaixamento e tentar a classificação às quartas de final no Gauchão será o novo desafio do goleiro.

Ainda não tem o app Gremista GaúchaZH? Acesse todas as informações sobre o Grêmio na palma da sua mão! 

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros