A trajetória de altos e baixos de Maicosuel, que busca retomada com Renato no Grêmio - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Novo reforço01/02/2018 | 09h49

A trajetória de altos e baixos de Maicosuel, que busca retomada com Renato no Grêmio

Técnico tenta fazer do meia-atacante mais um dos jogadores que recuperou na Arena

A trajetória de altos e baixos de Maicosuel, que busca retomada com Renato no Grêmio Marcello Zambrana/AGIF
Jogador tenta recuperar a boa forma na Arena Foto: Marcello Zambrana / AGIF

Novo reforço do Grêmio, o meia-atacante Maicosuel é mais um nome que o técnico Renato tentará reabilitar na Arena. Após experiências bem sucedidas com Léo Moura, Bruno Cortez e Cícero no ano passado, o treinador aposta na retomada do jogador que despontou com boas atuações pelo Botafogo, em 2009.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho  

A principal dificuldade, em um primeiro momento, é a parte física. Em seus últimos clubes, Maicosuel sofreu com repetidas lesões musculares que impediram uma sequência maior de jogos. Com 31 anos, o atleta vem do São Paulo, onde estava fora dos planos do técnico Dorival Júnior, por empréstimo até o final do ano

O Grêmio não terá custos com a negociação e bancará a metade do salário de R$ 300 mil que o atleta recebia no Morumbi. Segundo seu empresário, Lê, ex-atacante do São Paulo na década de 1980, o jogador deve desembarcar ainda nesta quinta-feira em Porto Alegre para fazer exames médicos.

— O São Paulo e o Grêmio já se acertaram e o aval do jogador já foi dado, só falta o acordo para definir como será a opção de compra. O Grêmio tem um calendário bom, com competições importantes. O treinador gosta do trabalho e do futebol do Maicosuel, isso fez com que ele aceitasse — explicou o agente.

Em entrevista ao blog do jornalista Jorge Nicola, no portal Yahoo, Maicosuel disse que deixa o São Paulo por vontade do técnico Dorival Júnior.

— Faltam pequenos detalhes. Mas, para sair do São Paulo, eu disse que tinha que ser uma coisa boa e o Grêmio pode proporcionar isso. É um clube com estrutura, tradição, torcida e que acaba de ser campeão da Libertadores. Pode ser o lugar perfeito para uma volta por cima — disse o meia.

No Grêmio, Maicosuel tentará recuperar o alto nível demonstrado no início da carreira. Em duas passagens pelo Botafogo, mostrou velocidade e faro de gol. O jornalista Thales Machado, editor do jornal O Globo, recorda de uma exibição de destaque do meia-atacante pelo clube carioca.

— Na semifinal da Taça Rio, em 2009, contra o Vasco, teve uma das atuações individuais mais brilhantes no Botafogo nos últimos anos. Depois foi vendido ao Hoffenheim, da Alemanha, e voltou no ano seguinte, ganhando a camisa 7 que já foi do Garrincha. Aí ele teve um desempenho de bom para regular. Como envelheceu, hoje já não tem a mesma velocidade. Já jogou bem, teve momentos de brilho. Mas, no geral, prometeu mais do que cumpriu — observa Machado. 

Depois do Botafogo, Maicosuel passou dois anos na Udinese, da Itália. Seu maior momento de destaque foi negativo: na disputa por pênaltis das eliminatórias para a fase de grupos da Liga dos Campeões em 2012, contra o Braga, de Portugal. O meia cobrou com uma cavadinha, praticamente recuando a bola ao goleiro. Como resultado, o time italiano acabou eliminado da competição.

O retorno de Maicosuel ao Brasil foi para o Atlético-MG, em 2014. Em Minas Gerais, seu maior momento de destaque foi marcando um dos gols que deram o título da Recopa ao Galo naquele ano. Mas, no geral, o meia sofreu com lesões. Segundo o repórter Claudio Rezende, da rádio Itatiaia, foi uma passagem apenas com lampejos de bom futebol.

— Ele não conseguiu se firmar como titular. Quando começou a ter sequência com o Levir Culpi, foi emprestado ao Al-Sharjah, dos Emirados Árabes. Quando voltou, teve muitos problemas físicos. Pela qualidade técnica, é muito elogiado. Mas recuperar a parte física será o grande desafio para ele no Grêmio — observa Rezende.

Contratado a pedido pelo técnico Rogério Ceni pelo São Paulo na metade do ano passado, Maicosuel também não conseguiu ter sucesso no Morumbi. Com seguidas lesões musculares, disputou apenas nove jogos e fez um gol pelo clube paulista. O repórter Matheus Lara, do jornal Estadão, conta que o jogador atuou mais avançado, como um atacante pelo lado direito. Mas, com atuações abaixo do esperado, foi preterido pelo técnico Dorival Júnior. 

— Minha leitura é que ele deu azar e o São Paulo também. Foi uma sequência de lesões que não tinha como prever. Neste ano, foi titular na estreia do Paulistão, contra o São Bento. Mas não conseguiu ganhar a confiança do Dorival, por isso não emplacou — conta Lara.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros