André será o quinto centroavante de Renato Portaluppi no Grêmio - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Camisa 924/04/2018 | 12h40

André será o quinto centroavante de Renato Portaluppi no Grêmio

Em sua terceira passagem, técnico já usou outros quatro nomes na função além do ex-Sport

André será o quinto centroavante de Renato Portaluppi no Grêmio Robinson Estrásulas/Agencia RBS
"É inteligente para entrar às costas dos zagueiros e para acompanhar o raciocínio do Luan", é o elogio de Gilson a André Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

A estreia do Grêmio na Copa do Brasil, esta quarta-feira, contra o Goiás, no Serra Dourada, marca uma passagem de bastão na equipe de Renato Portaluppi. Contratado por R$ 10 milhões do Sport, André assume, de fato, a condição de centroavante do time. Ao ocupar a vaga de Jael, o camisa 90, que estreou com gol contra o Cruzeiro, será o quinto nome usado pelo técnico como titular na função.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   

Quando chegou ao Grêmio, em setembro de 2016, a primeira tentativa de Renato como centroavante foi Henrique Almeida. Mas o jogador, hoje cedido ao Giresunspor-TUR, se indispôs com a torcida logo na estreia do técnico, na classificação sobre o Atlético-PR pelas oitavas de final da Copa do Brasil, fazendo um gesto obsceno às arquibancadas. No total, atuou em apenas cinco jogos com o treinador, sem marcar um gol sequer.

O arquivamento de Almeida fez Renato improvisar Luan como falso 9, como Roger Machado já havia realizado. Ainda que tenha executado papel importante no título da Copa do Brasil, o jogador rendia menos do que se atuasse como meia, função em que foi eleito o Rei da América no ano passado.

— O Luan não era centroavante. O que ele fazia era sair da área e se movimentar, flutuando entre as linhas para confundir o adversário e abrir espaço para que outros entrassem na área e tentassem a conclusão — observa Gilson Cabeção, ex-centroavante campeão da Copa do Brasil em 1994.

Com a chegada de Lucas Barrios, no início de 2017, Renato tratou de readaptar sua equipe a um esquema com uma referência no ataque. O paraguaio buscado no Palmeiras, apesar das frequentes lesões, deu boa resposta, sobretudo no início de sua trajetória pela equipe. Foi fundamental nas quartas de final da Libertadores, marcando o gol da classificação sobre o Botafogo, mas depois teve queda acentuada em seu rendimento.

— O Renato teve o cuidado de preparar o sistema de jogo e lançar ele na hora certa no time. O Barrios conseguiu se firmar logo na arrancada, fez muitos gols e foi uma peça importante no tri da Libertadores. Claro que teve lesões e não manteve o alto nível, mas deu bom retorno — avalia o ex-centroavante Christian, que atuou no clube entre 2003 e 2004.

A queda de Barrios ao final do ano abriu espaço para Jael, que voltava de grave lesão no joelho, conquistar a torcida. Não exatamente com técnica e gols, mas pela entrega em campo e suas assistências, como a que fez para Cícero contra o Lanús na final da Libertadores. Neste ano, já sem o paraguaio como concorrente, firmou-se como titular e levou os torcedores ao delírio com um gol de falta no primeiro Gre-Nal das quartas de final do Gauchão.

— O Jael cresceu muito pela dedicação que mostrou após a lesão. Evoluiu na bola parada, vai bem no cabeceio e também sabe fazer o pivô. Claro que tem limitações técnicas, mas compensa por se doar muito ao time — diz Nildo, ex-centroavante autor do título da Copa do Brasil em 1994.

A contratação de André, no entanto, fará Jael voltar ao banco. Com boas atuações contra Cruzeiro e Atlético-PR, o centroavante buscado no Sport dá mostras de que pode retomar o alto nível mostrado no Santos, no início de sua carreira, que o levou à Seleção. 

— Foi apenas o segundo jogo do André, está ainda se adaptando. Mas é um cara que abre espaço, busca tabela e dá sequência nas jogadas. É inteligente para entrar às costas dos zagueiros e para acompanhar o raciocínio do Luan. Eles vão fazer uma grande parceria — projeta Gilson Cabeção.

Centroavantes com Renato

Henrique Almeida (2016)

5 jogos
0 gols (0 por jogo)
2 vitórias
0 empates
3 derrotas
255 minutos
0 assistências
4 vezes titular (1 reserva)

Luan (2016-2018)*

77 jogos
24 gols (0,3 por jogo)
44 vitórias
21 empates
12 derrotas
6841 minutos
16 assistências
76 vezes titular (1 reserva)
* Números de todos os jogos sob o comando de Renato, inclusive os que não foi centroavante

Lucas Barrios (2017)

45 jogos
18 gols (0,4 por jogo)
28 vitórias
9 empates
8 derrotas
2994 minutos
2 assistências
36 vezes titular (9 reserva)

Jael (2017-2018)

34 jogos
4 gols (0,1 por jogo)
17 vitórias
9 empates
8 derrotas
1711 minutos
7 assistências
17 vezes titular (17 reserva)

André (2018)

2 jogos
1 gol (0,5 por jogo)
1 vitória
1 empate
0 derrota
166 minutos
0 assistências
2 vezes titular (0 reserva)

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros