Cacalo: não entendo como encaminhar Ferreira ao grupo de transição possa decretar quebra de contrato - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão Tricolor07/03/2020 | 08h00Atualizada em 07/03/2020 | 08h00

Cacalo: não entendo como encaminhar Ferreira ao grupo de transição possa decretar quebra de contrato

Jovem atleta pediu nesta sexta-feira rescisão de vínculo com o Grêmio

Cacalo: não entendo como encaminhar Ferreira ao grupo de transição possa decretar quebra de contrato Lucas Uebel / Grêmio FBPA/Grêmio FBPA
Ferreira pediu nesta sexta-feira rescisão de contrato com o Grêmio Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA / Grêmio FBPA
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

Inacreditável a decisão do jovem Ferreira em interpor uma ação judicial contra seu clube. Sem maiores informações, sem conhecer os termos do processo, ouso opinar, na medida em que creio que o atleta deve estar postulando rescisão indireta de seu contrato de trabalho. Tal medida é, via de regra, concedida pela Justiça do Trabalho quando o empregador deixa de cumprir cláusulas vigentes deste contrato de trabalho.

Leia mais
O que está por trás do pedido de rescisão de Ferreira com o Grêmio
Com Pepê e sem Ferreira: quem são os jogadores que podem ganhar chance no ataque do Grêmio contra o Pelotas
Eduardo Gabardo: como será a postura do Grêmio no caso Ferreira

Por exemplo, falta de recolhimento de FGTS, atraso constante em pagamento de salários, enfim, cláusulas que prejudiquem a atividade do empregado. Neste caso, aparentemente, pelas informações que circulam, as causas para o rompimento indireto seriam de caráter subjetivo. Não posso entender, como encaminhar um atleta jovem ao grupo de transição, junto a tantos outros colegas do mesmo nível, possa decretar quebra de contrato. Vai contrariar farta jurisprudência trabalhista, além de criar uma total insegurança jurídica para quem se utiliza, indo e voltando, do grupo de transição. 

Independentemente da decisão de primeira instância favorecer qualquer das partes, haverá inúmeros recursos e eventuais medidas cautelares. 

Acredito na Justiça

Ao cabo e ao fim, o único prejudicado será o promissor atleta. E o clube terá que, a partir de tal pedido, ter que incluir no contrato que determinado atleta deva ser titular, sob pena de perdê-lo? E mesmo um ano e meio antes do final do pacto? Estou entre aqueles que acreditam na Justiça.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros