Cacalo: foi incrível reviver a emoção do título mundial do Grêmio - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão tricolor01/06/2020 | 08h00Atualizada em 01/06/2020 | 08h00

Cacalo: foi incrível reviver a emoção do título mundial do Grêmio

Conquista histórica foi revivida no final de semana na RBS TV e na Rádio Gaúcha

Cacalo: foi incrível reviver a emoção do título mundial do Grêmio Luiz Ávila/Agencia RBS
Espinosa e Renato foram dois personagens fundamentais no Mundial 1983 Foto: Luiz Ávila / Agencia RBS
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

A quarentena está nos permitindo a possibilidade de reviver grandes emoções patrocinadas pelo Tricolor. Primeiro, foi a conquista do bi brasileiro, depois o bi da Libertadores e, neste domingo, o primeiro título mundial de um clube gaúcho. Foi incrível assistirmos à reprise do jogo contra o Hamburgo. Era um futebol diferente, talvez privilegiando a técnica. 

Hugo de León, Mário Sérgio e Paulo Cézar equilibravam o time, ao lado de jogadores valentes e briosos, como China e Baidek, só para citar dois exemplos. Mazaropi foi um herói, coroando toda a sua participação em jogos do Grêmio. Aliás, toda a equipe teve excelente rendimento, e isso é inegável. 

Leia mais
Acesse a edição digital extra de Zero Hora para relembrar o título mundial do Grêmio em 1983
Reexibição da conquista do Mundial do Grêmio de 1983 emociona torcedores
Cotação: confira as notas dadas aos jogadores do Grêmio por Zero Hora no Mundial de 1983

Tarciso foi outro gigante e, com sua habilidade e velocidade, apavorou os alemães. Mas não se pode deixar de dizer que Renato Portaluppi foi o diferencial na decisão.

Com jogadas de craque, marcando dois golaços, foi o grande destaque gremista na partida. A propósito, ali foi descoberto para o mundo, mostrando toda a sua qualidade como jogador de  futebol, reconhecida por todos nos anos seguintes. 

Superando todas as comparações

Foi uma conquista inédita e, para variar, pioneira. A torcida tricolor, a partir daquele momento, passou a entender de forma definitiva a real grandeza de seu clube, superando todas as comparações possíveis. 

Aquela vitória nos colocou em igualdade ao Santos de Pelé, ao Flamengo de Zico, porque éramos o Grêmio de Renato. Ah, ia esquecendo de lembrar que o time alemão Hamburgo jogou de camiseta vermelha e branca. Foi muita festa tricolor pelo mundo, especialmente aqui no Rio Grande do Sul.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros