Zé Alberto: o que Renato precisa aprender com Romildo - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

O mérito do dirigente26/01/2021 | 06h01Atualizada em 26/01/2021 | 06h01

Zé Alberto: o que Renato precisa aprender com Romildo

Manifestações posteriores ao Gre-Nal foram indignadas por parte do Grêmio e postura do presidente compensou exageros do treinador

Zé Alberto: o que Renato precisa aprender com Romildo Lucas Uebel / Grêmio/Divulgação/Grêmio/Divulgação
Presidente e técnico do Grêmio possuem muita sintonia, mas posturas, por vezes, diferentes Foto: Lucas Uebel / Grêmio/Divulgação / Grêmio/Divulgação
José Alberto Andrade
José Alberto Andrade

ze.alberto@rdgaucha.com.br

As entrevistas do Grêmio depois do Gre-Nal mostraram bem a distinção que precisa ter um presidente na hora de uma manifestação em relação aos homens de campo. Romildo Bolzan Júnior estava provavelmente tão indignado quanto Renato Portaluppi, algo que ambos têm direito quando se julgam injustiçados ou prejudicados. A sintonia entre os dois já se mostrou beirar à perfeição, mas há horas em que as diferenças aparecem. 

O que eleva o dirigente é o fato de não tentar criar uma cortina de fumaça diante de um resultado que também teve responsabilidades tricolores como a não entrada de Ferreira na equipe ou o tempo das substituições. Renato não anda bem recentemente diante dos microfones, onde quase sempre mostrou habilidade. O técnico ameaçar de usar time reserva para desmoralizar a disputa, falar em cartas marcadas contra o Grêmio ou desaforar jornalistas só faz com que Romildo precise fazer o que fez, reduzindo tais declarações, desautorizando os exageros e, dando nível ao momento, o que é um bom passo para resolver problemas. 

Leia mais
Com lesão no ligamento do tornozelo, Geromel desfalca o Grêmio no restante da temporada
Lesão, covid-19 e suspensão: como foi a temporada 2020 de Geromel no Grêmio
Reclamações e ameaça de abandonar o campeonato: o que foi dito no Grêmio após a derrota no clássico

Sem capitão

A perda de Pedro Geromel até março era prevista desde a saída do zagueiro do gramado do Beira-Rio carregado no Gre-Nal. Até se temia algo pior como uma ruptura de tendão de Aquiles, o que o tiraria de ação por mais de seis meses. Dos males, veio um menor, embora grave. A ausência do capitão enfraquece um sistema defensivo que há anos é destaque do Grêmio, especialmente pela dupla com Kannemann. É bom lembrar, porém, que na temporada 2020/21, Geromel ficou fora de muitas partidas em função de lesões e, ainda assim, o setor é o menos vazado no Brasileirão. As opções de substituições como Rodrigues ou David Braz são bem melhores do que as apresentadas pelo elenco em anos anteriores, mas, pensando-se numa final de Copa do Brasil, o prejuízo é gigantesco.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros