Cacalo: a covid-19 e o reflexo no futebol - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão Tricolor08/04/2021 | 09h00Atualizada em 08/04/2021 | 09h00

Cacalo: a covid-19 e o reflexo no futebol

É uma imprudência a realização de uma partida com um dos clubes com diversos profissionais atingidos

Cacalo: a covid-19 e o reflexo no futebol Lucas Uebel / Divulgação/Grêmio/Divulgação/Grêmio
Grêmio não saiu do hotel, em Quito, no Equador Foto: Lucas Uebel / Divulgação/Grêmio / Divulgação/Grêmio
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

Confesso minha apreensão e surpresa com o que está acontecendo com os campeonatos, tanto no Brasil quanto fora do país. Não resta dúvida acerca dos malefícios que o vírus está trazendo para todas as pessoas e atividades. E nestas, incluo o segmento futebol. Cheguei a pensar que o ideal seria parar com tudo, no que tange aos esportes coletivos e principalmente no futebol. Pelo menos até que tivéssemos a imensa maioria da população devidamente vacinada. 

Mas, dizem as autoridades que todos os cuidados sanitários estão sendo adotados. Se determinadas competições não podem ser interrompidas, seja lá porque razão, poderiam as autoridades responsáveis estabelecer um limite de casos para que determinados jogos sejam suspensos ou adiados? 

Leia mais
O que se sabe sobre os casos de covid-19 do Grêmio no Equador
Grêmio prepara logística para integrar lateral da base à delegação no Paraguai
Sequência de viagens, falta de treinos e fuga da altitude: as vantagens e desvantagens do jogo do Grêmio no Paraguai

Não é justo, nem adequado, que uma equipe de futebol profissional seja compelida a atuar, tendo varias incidências da covid-19, por mais que queiramos assistir aos jogos. 

E, por óbvio, não me refiro tão somente a questão técnica dos campeonatos, mas, principal e necessariamente pela questão de saúde dos profissionais. Observemos, que neste momento o Grêmio está com seis profissionais isolados pela doença. Quem pode garantir que não haverá outros, em decorrência da transmissão por desconhecimento que estavam acometidos? 

Entendo que muda muito pouco um jogo ser no Equador ou no Paraguai, considerando que o vírus vem com os visitantes e pode atingir também o clube adversário. Penso que é uma imprudência a realização de uma partida com um dos clubes comprovadamente com diversos profissionais atingidos.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros