Luciano Périco: a aposta arriscada do Grêmio - Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Novo comando06/07/2021 | 08h00Atualizada em 06/07/2021 | 08h00

Luciano Périco: a aposta arriscada do Grêmio

Tricolor definiu que Thiago Gomes como técnico interino nos próximos jogos

Luciano Périco: a aposta arriscada do Grêmio Lucas Uebel / Grêmio/Divulgação / Grêmio/Divulgação/Grêmio/Divulgação
Treinador já comanda a equipe gremista contra o Palmeiras na quarta-feira (7) Foto: Lucas Uebel / Grêmio/Divulgação / Grêmio/Divulgação / Grêmio/Divulgação

O técnico do time de transição do Grêmio, Thiago Gomes, está sendo colocado em uma fogueira ao ser confirmado como interino no momento de maior crise vivido pelo clube nos últimos anos. O jovem de 37 anos, com boas ideias de futebol e longo histórico no Tricolor, terá o desafio de buscar a primeira vitória no Brasileirão contra o Palmeiras no Allianz Parque. Pedreira. Depois terá pela frente ainda um clássico Gre-Nal na Arena. Ele é um profissional reconhecidamente capacitado. Porém, vai assumir o comando em uma fase extremamente delicada. 

Thiago Gomes é uma aposta dos dirigentes gremistas. Fico na dúvida, se ele está preparado, em termos de experiência, para encarar um vestiário formado por jogadores cascudos, que exercem um forte poder interno. Por isso, corre sério risco de se queimar. A informação trazida pelo colunista Pedro Ernesto Denardin, aqui em GZH, é de que a colocação de Thiago Gomes na função foi um pedido dos atletas. Fica a dúvida, se o técnico terá carta branca para mexer onde quiser no time titular, tirando alguns nomes experientes da escalação, que vem rendendo muito pouco. Barrar os mais rodados pode ser mexer em um vespeiro. Menos mal, se os jogadores estiverem apoiando a medida.

Leia mais
O primeiro treino e as possíveis trocas de Thiago Gomes no time do Grêmio
Divisão do grupo de jogadores, CEO contestado e sucessão de Bolzan: os motivos para a crise institucional do Grêmio
Relembre as quatro partidas do Grêmio comandado por Thiago Gomes

A definição do novo comandante do vestiário deixou claro que o Grêmio está dividido internamente no seu conselho de administração. Na real, convicção zero no que deve ser feito. Os nomes que surgiram, Renato Portaluppi e Luiz Felipe Scolari, não foram consenso. A demissão de Tiago Nunes estava desenhada após a derrota para o Juventude. Mas a situação foi apenas empurrada para o duelo com o Atlético-GO. Se já havia convicção de que deveria mudar, por que não foi feito já no vestiário do Alfredo Jaconi? Perdeu tempo. O cenário indica jogos muito difíceis. Com a situação crítica na tabela do Brasileirão, apenas dois pontos em sete jogos, o Tricolor está proibido de ser derrotado. Agora, o fundamental é estancar a sangria, que pode levar ao rebaixamento a longo prazo.  

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros