Lelê Bortholacci: "Dois nomes são emblemáticos nesse Inter que surpreende o Brasil" - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Paixão Colorada07/09/2018 | 07h00Atualizada em 07/09/2018 | 07h00

Lelê Bortholacci: "Dois nomes são emblemáticos nesse Inter que surpreende o Brasil"

Odair Hellmann e Rodrigo Dourado são merecedores do sucesso do clube neste Brasileirão

Lelê Bortholacci: "Dois nomes são emblemáticos nesse Inter que surpreende o Brasil" Ricardo Duarte / Inter/Divulgação/Inter/Divulgação
Dourado, dentro de campo, e Odair, fora, são nomes importantes para a liderança do Inter Foto: Ricardo Duarte / Inter/Divulgação / Inter/Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Ninguém é líder por acaso. Se o Inter está em primeiro lugar no Brasileirão, isso é consequência de um trabalho que envolve muita gente. Mas eu gostaria de citar dois nomes aqui, um de dentro e um de fora do campo. 

Leia mais
Os prós e contras de Uendel, Fabiano e Zeca na lateral do Inter para o Gre-Nal
Patrick comemora a liderança do Inter: "Acordar em primeiro é uma sensação muito boa"
Sócios em dia e camisas esgotadas: Inter vive boa fase também fora de campo

Trabalhando nas categorias de base do clube desde 2009 e praticamente desconhecido do público, Odair Hellmann foi efetivado como treinador no fim do ano passado. Recebeu a dura missão de (re)montar o time que voltava ao convívio dos grandes e, obrigatoriamente, precisava se reafirmar. 

Ainda no começo da temporada, teve que encarar o Grêmio recém campeão da América e cantado por todos como o melhor time do país. Foi eliminado do Gauchão. Sofreu calado. Baixou a cabeça e trabalhou. Hoje treina o time que lidera a Série A do Campeonato Brasileiro e já é apontado como o técnico revelação da temporada pela imprensa esportiva nacional. Trata-se de uma afirmação.

Além de fazer esse "novo" time, Odair teve outra difícil empreitada: resgatar a autoestima de alguns jogadores que sofreram na pele as consequências de um rebaixamento. Um deles é Rodrigo Dourado, tantas vezes crucificado. Ele até poderia ter pedido para sair do clube em vez de jogar a Segundona. Resolveu ficar. Atravessou o inferno e tornou-se o capitão e melhor jogador do líder do Brasileirão. 

Merecedor

Por mais que esse grupo de jogadores mostre sua qualidade, sua união e seu foco e todos sejam merecedores dos elogios que proliferam nesse momento, ninguém merece mais do que Dourado. Ele, dentro do campo, e o técnico Odair, fora. São os emblemas desse Inter que surpreende o Brasil.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros