Lelê Bortholacci: "Time do Inter funcionou bem e deve ter sequência" - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Paixão colorada16/10/2018 | 07h00Atualizada em 16/10/2018 | 07h00

Lelê Bortholacci: "Time do Inter funcionou bem e deve ter sequência"

Opção com D'Alessandro e Damião de titulares precisa ser mantida por Odair Hellmann

Lelê Bortholacci: "Time do Inter funcionou bem e deve ter sequência" Félix Zucco/Agencia RBS
Argentino jogou demais na grande vitória sobre o São Paulo Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

A grande atuação do último domingo não sai da cabeça dos colorados. São tantos aspectos destacados que fica fácil entender por que os 3 a 1 poderiam ter sido ainda mais dilatados.

Mesmo com um gol sofrido tão cedo, o time não se abalou. Na zaga, Cuesta acertou quase tudo e ainda deu a sustentação a Emerson Santos. Fabiano consolida-se como o lateral-direito titular, e agora não é apenas “melhor marcador” do que Zeca e chegou (bem) diversas vezes. Com D’Alessandro e Nico López juntos, os três volantes voltaram a fazer o que sabem de melhor: marcar e desarmar, sem a obrigação de criar. E contribuíram na execução das jogadas, justamente quando os gringos – principalmente D’Ale – buscavam a bola no campo de defesa.

Leia mais
Inter aposta em semana cheia de treinamentos para alcançar líder Palmeiras
Inter abre check-in para jogo contra o Santos
Inter é quem mais "dribla certo" no Brasileirão 2018

Na frente, ficou claro que o esquema que foi a campo no domingo precisa de um centroavante de presença na área. Com Pottker, muitas jogadas não tiveram conclusão porque quem devia ser nosso homem “mais adiantado” não estava ali.

E o que jogou de bola Andrés D’Alessandro? É de encher os olhos de quem gosta de bom futebol o que o argentino fez no Beira-Rio. Acertou incríveis 52 passes, bateu falta na trave, marcou, desarmou e saiu de campo ovacionado. Já Nico voltou a jogar um futebol solidário. Quando ele faz isso, cresce de produção.

Privilégio colorado

Ver os dois juntos é um privilégio. A experiência e a juventude, lado a lado. O argentino, ídolo inquestionável, com garra e vontade comoventes aos 37 anos.

O uruguaio, jovem talento, evolui e entende seus pontos fracos, caminhando no rumo certo para se consolidar como um grande jogador. Só depende dele mesmo.

Ainda não tem o app Colorado GaúchaZH? Acesse todas as informações sobre o Inter na palma da sua mão!

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros