Lelê Bortholacci: "Inter tem naufrágio completo no Rio" - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Paixão colorada19/11/2018 | 07h00Atualizada em 19/11/2018 | 07h00

Lelê Bortholacci: "Inter tem naufrágio completo no Rio"

Derrota para o Botafogo teve péssima atuação colorada

Lelê Bortholacci: "Inter tem naufrágio completo no Rio" Ricardo Duarte / Inter, Divulgação/Inter, Divulgação
Moledo foi expulso no final, em gracinha do árbitro Foto: Ricardo Duarte / Inter, Divulgação / Inter, Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Um começo animador e um fim melancólico. Assim foi o duelo entre Inter e Botafogo, no Engenhão. O time de Odair Hellmann começou procurando o gol desde os primeiros minutos, mas esbarrava no erro do penúltimo toque. Mesmo demonstrando ímpeto para a vitória e com mais posse de bola, nenhuma chance foi criada.

Leia mais
Inter completa três meses sem vencer fora de casa
"Não foi esse jogo que decidiu o campeonato", diz Edenilson após derrota para o Botafogo
Damião lamenta nova derrota do Inter fora de casa: "Hoje vai ser difícil dormir"

Com o passar do tempo, o Botafogo se achou, equilibrou o jogo e marcou seu gol num balão para a área que caiu no pé do atacante Erik, que não teve nenhuma dificuldade em driblar Zeca – nitidamente fora de ritmo de jogo – e fez justiça pra quem criou chances reais de gol mesmo tendo a bola por menos tempo.

No intervalo, ambos os times devem ter ficado sabendo que o Paraná vencia o Palmeiras em Londrina, mas a impressão que deu era de que o Botafogo se beneficiava desse resultado na disputa pelo título, pois foi quem demonstrou muito mais vontade em campo. A injeção de ânimo no Inter veio com o elétrico Wellington Silva, que sempre pega a bola e vai na direção do gol.

Mas não há ânimo que resolva quando se vê tantas atuações individuais ruins. D'Alessandro, Patrick, Edenilson e Nico López criando quase nada, Rodrigo Moledo e Víctor Cuesta errando botes fáceis. Um naufrágio completo. 

Show de horrores

Para completar o show de horrores, no final do jogo, o fraquíssimo árbitro Rafael Traci – que tem uma barriga maior do que a minha – fez sua apresentação, mostrando que se lhe falta técnica, sobram cartões pra mostrar autoridade.

Assine GaúchaZH e fique por dentro de tudo o que acontece com a dupla Gre-Nal. Acesso ilimitado ao site!

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros