Lelê Bortholacci: lambendo as feridas após a perda do título  - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão Colorada20/09/2019 | 08h00Atualizada em 20/09/2019 | 08h00

Lelê Bortholacci: lambendo as feridas após a perda do título 

Após o vice da Copa do Brasil, em casa, é exatamente isso que o Inter tem de fazer

Lelê Bortholacci: lambendo as feridas após a perda do título  Marco Favero/Agencia RBS
Inter perdeu para o Athletico-PR em casa Foto: Marco Favero / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Sempre achei essa expressão meio nojenta, mas não encontrei nenhuma melhor para o momento. Após a perda da Copa do Brasil, em casa, é exatamente isso que o Inter tem de fazer. A derrota, do jeito que ocorreu, deixou grande parte da torcida indignada, e todo o departamento de futebol passa a trabalhar, a partir de agora, com uma pressão que ainda não havia enfrentado. O que nós, torcedores, queremos, são apenas respostas. E não estou falando de justificativas.

Leia mais
William Pottker tem nova lesão e fica fora do Inter por três semanas
Confiança no fator local e pouco repertório: Inter amarga segunda queda no Beira-Rio em menos de um mês
Herói da conquista do Athletico-PR teve passagem discreta pelo Inter 

Queremos soluções para problemas que ocorrem dentro do campo, como por exemplo a apatia diante de partidas decisivas e a manutenção de jogadores que, comprovadamente, não dão respostas que justifiquem suas respectivas titularidades. 

Com relação ao primeiro ponto, mais uma vez a falta de concentração nos custou muito caro. Como pode um time experiente como este, numa final em casa, com estádio lotado, parar antes do juiz apitar, porque há um jogador caído? Pelo amor de Deus. Que nível de concentração é este? 

Esta falha bisonha, deu ao adversário o gol que complicou tudo de vez. O que mais os jogadores precisam para estarem 100% focados do que estar jogando uma final de campeonato num estádio lotado e com TV para o país inteiro? Realmente não consigo entender. Com relação à escalação do time, não há mais desculpas para, por exemplo, Nonato ser reserva. Nem para Heitor. Nem para Zeca. Chega.

O que restou

Eliminado das duas copas, resta todo um segundo turno de Brasileirão — onde estamos bem colocados — para Odair Hellmann mudar o que for possível, promover a entrada de jogadores mais jovens e mostrar para torcida que aprendeu com os erros. Entendo que o título não seja fácil, mas a manutenção da equipe na zona de classificação para Libertadores 2020, agora, passou a ser obrigação.

Ainda não tem o app Colorado GaúchaZH? Acesse todas as informações sobre o Inter na palma da sua mão! 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros