Marcelo Gonzatto: há uma conta que não fecha no Beira-Rio - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão Colorada02/01/2020 | 08h00Atualizada em 02/01/2020 | 08h00

Marcelo Gonzatto: há uma conta que não fecha no Beira-Rio

Estilo de jogo de Coudet exige jogadores que tenham intensidade e velocidade

Marcelo Gonzatto: há uma conta que não fecha no Beira-Rio Inter/Twitter/Reprodução
Eduardo Coudet terá a difícil missão de modernizar o futebol colorado Foto: Inter / Twitter/Reprodução

Eduardo Coudet e seu cachecol foram convocados ao Beira-Rio com uma missão difícil, mas importante: modernizar o futebol colorado por meio de qualidades que andavam mais sumidas que o Sarrafiore, como intensidade de jogo e velocidade na transição para o ataque.

Leia mais
"Três listras na manga, três estrelas no peito": Inter publica vídeo promovendo novo uniforme
10 momentos da história de D'Alessandro no Inter
D'Alessandro renova contrato com o Inter para 2020

Ótimo. A grande questão é: contamos com um elenco adequado para essa tarefa? O Inter teve um retrato envelhecido na última temporada. D'Ale, Guerrero, Edenilson, Uendel, Cuesta, Moledo, Lindoso, todos já bateram na casa dos 30 anos. Musto, recém-contratado, tem 32. Como o dinheiro anda curto como escanteio mal batido, se não houver uma valorização mínima dos jovens e das promessas da base será difícil sustentar essa correria. Mas valorizar não significa colocar para jogar e, na primeira falha, emprestar a um clube da Série D para "ganhar experiência".

Como bem lembra o leitor da coluna e colorado de Belo Horizonte, Arnaldo Ziller, veteranos do elenco cometeram erros ao longo de 2019, alternaram boas e más exibições, mas seguiram com lugar cativo no time. A paciência com os guris parece ser bem menor — e isso inclui parte da torcida que parece exigir a presença de jovens em campo apenas para poder xingá-los mais de perto depois.

É desagradável, mas importante, reparar que o rival tricolor vem obtendo bons resultados graças ao prestígio de sua base nos últimos anos — receita que o Inter já havia colocado em prática quando se destacaram nomes como Sobis, Nilmar, Taison, Fred, Oscar, Alisson e por aí vai.

Conseguiremos, sem cortar uns três ou quatro anos na média de idade do time, marcar sob pressão, sair em velocidade e voltar correndo para segurar o contra-ataque? Até o momento, na teoria, essa conta não fecha.

Ainda não tem o app Colorado GaúchaZH? Acesse todas as informações sobre o Inter na palma da sua mão!

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros