Lelê Bortholacci: Por que não se pode comparar Eduardo Coudet com Celso Roth - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão colorada07/02/2020 | 09h00Atualizada em 07/02/2020 | 09h00

Lelê Bortholacci: Por que não se pode comparar Eduardo Coudet com Celso Roth

Parece absurdo colocar os dois técnicos na mesma frase, mas vi gente fazendo isso

Lelê Bortholacci: Por que não se pode comparar Eduardo Coudet com Celso Roth Félix Zucco/Agencia RBS
Eduardo Coudet completará um mês de trabalho no Inter neste sábado (8) Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Falei aqui, na quinta-feira (6), que as críticas ao início do trabalho de Coudet no Inter eram injustas e desproporcionais. E tenho mais fatos pra provar. O que você achou da estreia do "todo badalado" treinador Tiago Nunes no Corinthians, perdendo para o Guarani do Paraguai por 1 a 0? Lembram das maravilhas que se falava dele após o titulo da Copa do Brasil? Não valem mais? Claro que valem.

Leia mais
Conmebol escala árbitro uruguaio para Inter x La U no Beira-Rio
Leonardo Oliveira: Relatório da Conmebol e 16 anos de exclusão de torcedor, as consequênciaspara a La U
Os movimentos que esboçam o cenário eleitoral do Inter em 2020

Assim como Coudet, Tiago precisará de tempo para que suas ideias virem o padrão do Corinthians. Exatamente como aqui. Quer números sobre a atuação do Inter na terça-feira? Foram 61,7% de posse de bola e 89,4% de passes certos. 

Não ha argumento válido que fale em "retranca" quando se tem números assim. As comparações com Celso Roth chegam a ser hilárias. Fica difícil.

Os "4 volantes"

E os denominados "4 volantes"? No imaginário do torcedor brasileiro isso é sinônimo de terror. Zero criação no meio de campo, raríssimas chances de gol e vitórias consequentes do clássico "por uma bola".

Definitivamente não foi o que se viu até agora em nenhum jogo do Internacional em 2020, inclusive na terça-feira, quando o goleiro da La U foi um dos melhores em campo. No caso dos nossos "4 volantes" — é entre aspas mesmo, de propósito — foi um deles o responsável por duas das chances mais claras de gol, dentro da área, fora as vezes que ele estava dentro dela e não foi acionado. 

Mas ok, pra não dizer que não discordo de algo neste time de Coudet, creio que não vá se sustentar a escalação de Musto e Lindoso juntos. Estes sim, posicionados mais atrás, até podem ser considerados como volantes no real sentido da palavra. Mas Edenilson e Patrick, não. Me desculpem.

Ainda não tem o app Colorado GaúchaZH? Acesse todas as informações sobre o Inter na palma da sua mão!

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros