Lelê Bortholacci: a cicatrização de 2015 e 2016 do Inter está na sua fase final - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão Colorada14/03/2020 | 08h00Atualizada em 14/03/2020 | 08h00

Lelê Bortholacci: a cicatrização de 2015 e 2016 do Inter está na sua fase final

A empolgante equipe de Eduardo Coudet tende só a melhorar com a sequência de jogos

Lelê Bortholacci: a cicatrização de 2015 e 2016 do Inter está na sua fase final Ricardo Duarte / Divulgação/Divulgação
Time de Coudet mostrou para o mundo inteiro que tem personalidade de sobra e que joga da mesma forma onde estiver Foto: Ricardo Duarte / Divulgação / Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Para tentarmos tirar nossas conclusões sobre o clássico de quinta-feira (12), é preciso separarmos o futebol da confusão. Pelo menos até onde der. Com a bola rolando, voltamos a ver o Inter a jogar de igual pra igual com o Grêmio na Arena. Depois do que fizeram com o clube em 2015 e 2016, sair do buraco deixaria suas feridas e cicatrizes e, entre elas, a inferioridade nos clássicos de lá pra cá é uma das que mais incomoda. 

Leia mais
Inter aprova medida da FGF de fechar portões no Gauchão: "Foi prudente e correta"
Brigas generalizadas na Libertadores: relembre punições aplicadas pela Conmebol em outros casos
Inter aguarda novo calendário da Libertadores e pode ter seis desfalques no Gre-Nal

O empate não a curou. Mas a cicatrização está na sua fase final. Mais do que equilibrar o nível da disputa com nosso maior rival, o Internacional de Eduardo Coudet mostrou para o mundo inteiro — o clássico foi transmitido para diversos países — que tem personalidade de sobra e que joga da mesma forma onde estiver. 

E só não venceu o jogo porque o futebol adora ser injusto. Foram chances vivas, resultantes de jogadas trabalhadas, como há muito não se via do Inter, na casa do rival. A vitória não veio. Mas se você fizer por merecer, ela vai vir. É só uma questão de tempo. Sim, eu sei que o Grêmio também teve boas chances de abrir o placar, mas elas surgiram ou de erros cometidos pelo Inter ou de jogadas individuais. Não vou contabilizar as duas chances de quando o jogo virou "futebol sete", ok? 

Sequência e expulsões

O empolgante Internacional de Coudet tende só a melhorar com a sequência de jogos. O trabalho está apenas começando, mas já foi bem assimilado pela maioria do grupo. É justamente a sequência que provavelmente será a grande prejudicada pela confusão do fim do jogo. Foram quatro expulsos, que devem pegar penas duras porque a Conmebol não costuma aliviar em casos assim. Vamos aguardar.

No mês do consumidor, temos uma oferta especial: assine GaúchaZH com um preço exclusivo. Clique aqui 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros