Lelê Bortholacci: decisão da Argentina complica retomada da Libertadores - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão Colorada27/04/2020 | 07h01Atualizada em 27/04/2020 | 07h01

Lelê Bortholacci: decisão da Argentina complica retomada da Libertadores

País fechou voos comerciais até setembro em função do coronavírus

Lelê Bortholacci: decisão da Argentina complica retomada da Libertadores Conmebol/Divulgação
Destino da taça mais importante da América do Sul ainda é incógnita Foto: Conmebol / Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

A notícia que vem da Argentina me parece antecipar o que muitos desconfiavam: a Libertadores de 2020 não deverá continuar. Os voos comerciais no país vizinho foram suspensos até setembro.

Some-se a isso as fronteiras já fechadas e a curva ascendente da pandemia na América do Sul, e temos indicativos muito fortes de que é pouco provável que terminaremos a competição continental ainda este ano.

Leia mais
Inter monitora ex-volante da seleção italiana, mas vê questão financeira como obstáculo
Por vídeo, D'Alessandro dá palestra para atletas das categorias de base do River Plate

É claro que podem ocorrer algumas soluções bancadas pela Conmebol como voos fretados, delegações 100% testadas, mas vejo isso com pouca esperança. Seguimos com dúvidas e mais dúvidas. E as evidências não conseguem trazer o otimismo junto, infelizmente.

Obrigado, Dunga! Obrigado, Taffarel!

Neste domingo (26), ao ver a repetição da final da Copa de 1994, voltei a me emocionar com tudo que envolveu aquele jogo. Principalmente pelas figuras de Taffarel e Dunga, dois jogadores que eu sempre admirei desde quando jogavam no Inter, numa época que não era fácil se manter colorado.

Derrotas inesperadas, escassez de títulos — com o agravante de ver o rival em situação inversa — e muitas decepções com os times, mas que não me impediram de ver nesses dois exemplos de ídolos, que surgiram para o mundo com a nossa camisa vermelha e que, até hoje, mantêm viva essa relação.

Dunga e Taffarel eram, sim, o Inter naquele dia histórico no Rose Bowl. É claro que o tetra era o que mais importava. Mas pode ter certeza que, se hoje eu escrevo num espaço chamado "Paixão Colorada", devo muito a esses dois caras. Obrigado, Dunga! Obrigado, Taffarel!

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros