Lelê Bortholacci: que o caso de Vitório Piffero seja um marco para o Inter e para todos clubes do país - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão Colorada23/05/2020 | 11h00Atualizada em 23/05/2020 | 11h00

Lelê Bortholacci: que o caso de Vitório Piffero seja um marco para o Inter e para todos clubes do país

Ex-presidente teve confirmada sua exclusão do quadro social do clube na sexta-feira

Lelê Bortholacci: que o caso de Vitório Piffero seja um marco para o Inter e para todos clubes do país André Horta/Fotoarena/Agência Lancepress!
Piffero comandou o Inter no biênio 2015/2016 Foto: André Horta/Fotoarena / Agência Lancepress!
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Como já era esperado, o conselho Deliberativo colorado negou o recurso e Vitorio Piffero e Pedro Affatato estão excluídos do quadro social do clube. O que me impressionou mesmo foi o fato de tentarem este recurso. Não existe a mínima possibilidade destes senhores pisarem no Beira-Rio novamente. 

Leia mais
Recurso é negado, e Vitório Piffero permanece fora do quadro social do Inter
"Se não voltar até o fim de setembro, a coisa complica", diz Marcelo Medeiros sobre retorno do futebol

E não acabou. Agora, é hora de seguirmos acompanhando atentamente a sequência do processo, pois, caso sejam confirmados todos os desvios de dinheiro, é uma obrigação que se busque o ressarcimento integral, doa a quem doer. Cada real desviado é dinheiro meu e seu, que pagamos religiosamente nossas mensalidades e ajudamos, como podemos, a manter nosso clube do coração. Se "meteram a mão", vão ter de devolver. Bem simples.

A grande verdade é que tudo isso é muito triste. Mas serve como um marco para o Inter e todos os demais clubes de futebol no país. Gestões que lesam os cofres das instituições merecem ser punidas exemplarmente. Vamos até o final com todas as consequências aos envolvidos, mas vamos focar, principalmente, no futuro do Internacional.

E falando em "olhar para frente", o anúncio das renovações dos contratos de Bruno Praxedes e Johnny vêm em excelente momento. Mais do que nunca, é a hora de apostarmos nos jovens. Não fazemos a menor ideia de como será a realidade financeira do Inter - e dos demais clubes de futebol - no mundo pós-pandemia, mas temos certeza que só a geração própria de jogadores pode significar um futuro promissor dentro e fora dos gramados.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca