Lelê Bortholacci: entrevista de Coudet encheu o torcedor de esperança - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Palavras que valem ouro29/06/2020 | 07h00Atualizada em 29/06/2020 | 07h00

Lelê Bortholacci: entrevista de Coudet encheu o torcedor de esperança

Comandante colorado falou com muita propriedade sobre diversos assuntos e mostra conhecimento que vai muito além das quatro linhas

Lelê Bortholacci: entrevista de Coudet encheu o torcedor de esperança Ricardo Duarte/Inter,Divulgação
Eduardo Coudet sabe que o futebol será diferente no pós-pandemia Foto: Ricardo Duarte / Inter,Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

A entrevista que Eduardo Coudet concedeu na semana passada foi daquelas que enche o torcedor de esperança. Nesta época de angústias e incertezas, nosso comandante falou com muita propriedade sobre diversos assuntos e mostra conhecimento que vai muito além das quatro linhas.

Chacho sabe que o futebol será diferente no pós-pandemia. Mesmo que ele mantenha contato com Taison, e tanto clube quanto jogador queiram negócio, trata-se de uma questão que até pode vir a acontecer, mas será uma exceção.

A nova ordem financeira mundial vai riscar do mapa as contratações milionárias, pelo menos aqui no Brasil, onde os clubes terão de se desdobrar para recuperar o fôlego em suas finanças após a longa parada. Tirando Flamengo e Palmeiras, que vivem uma realidade paralela — e muito provavelmente continuarão contratando como se fossem clubes europeus —, o único caminho possível para uma reconstrução financeira está na utilização da base.

Leia mais
Coudet explica conversa com Taison e diz que monitora Oscar e Damião: "Identificação é importante"
Coudet analisa possível aposentadoria de D'Alessandro: "Tem de viver e desfrutar cada dia"
Os três motivos que fizeram o Inter desistir de recorrer da pena de Moisés na Conmebol

E é aí que o trabalho de Coudet pode destacar-se ainda mais. O nível de conhecimento que ele já tinha da base colorada, antes de se tornar treinador do Inter, era impressionante. Conhecia jogadores pelo nome, sabia das suas características e questionava o porquê da não utilização de alguns deles no time principal à época.

Identificação e perfil

Por aqui, desde que chegou, já mostrou identificação com o clube e, mas poucas entrevistas que deu, mostrou estar absolutamente consciente sobre as necessidades dentro e fora dos gramados.

Coudet tem o perfil ideal para nos guiar da melhor forma possível nestes novos tempos que viveremos. É hora de valorizar a base, mais do que nunca. Ver e ouvir um treinador dizer "a bola não pede documento, quem estiver melhor vai jogar" é realmente estimulante.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros