Lelê Bortholacci: futuro do Inter na mão dos conselheiros - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão Colorada27/11/2020 | 07h00Atualizada em 27/11/2020 | 07h00

Lelê Bortholacci: futuro do Inter na mão dos conselheiros

Eleição presidencial colorada começou na quinta-feira e segue até esta sexta

Lelê Bortholacci: futuro do Inter na mão dos conselheiros Omar Freitas/Agencia RBS
Levantamento aponta disputa acirrada Foto: Omar Freitas / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Começou na quinta-feira (26) e vai até as 17h desta sexta o primeiro turno da eleição para o próximo presidente do Inter e seu respectivo Conselho de Gestão. Os dois mais votados vão para o segundo turno, aí com a escolha dos sócios. 

Apesar de constar no estatuto, o voto secreto desta fase do pleito me causa um certo desconforto. Isso porque, diferentemente de eleições políticas, em um clube os conselheiros são representantes dos sócios e, por isso, devem satisfações a quem representam. Bem simples. Tomara que isso seja revisto para o futuro.

Leia mais
Em eleição virtual, Inter começa a decidir presidente para o próximo triênio
Levantamento exclusivo do Grupo RBS aponta disputa acirrada na eleição do Inter

Pelo levantamento feito pelos colegas de GZH, o resultado é totalmente imprevisível. Os quatro candidatos têm chances reais de avançar ao pátio. E isso é a prova definitiva de como o Inter está dividido internamente.

Não há mais como negar que o novo presidente terá duas prioridades urgentes: a reconstrução do departamento de futebol e a pacificação política. Primeiro, claro, o futebol. Reestruturar e – de uma vez por todas – profissionalizar o departamento mais importante do clube, que hoje se mostra completamente à deriva. 

É obrigatória a criação de uma comissão permanente e um projeto de futebol moderno, de longo prazo, com ciência e tecnologia orientando as contratações.

Hora da conversa

Na parte politica, será necessário chamar os movimentos derrotados para conversar e ver o que podem ter de boas ideias, pois elas sempre existem. União e pacificação depois das eleições serão essenciais para o futuro do Internacional. Espero, sinceramente, que assim seja.

 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros