Luciano Périco: Inter terá que conduzir o Brasileirão na ponta dos dedos - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Corrida maluca02/02/2021 | 07h00Atualizada em 02/02/2021 | 07h00

Luciano Périco: Inter terá que conduzir o Brasileirão na ponta dos dedos

Colorado volta a campo contra o Athletico-PR, na quinta-feira, em Curitiba

Luciano Périco: Inter terá que conduzir o Brasileirão na ponta dos dedos Jefferson Botega/Agencia RBS
Com nove resultados positivos seguidos, Abel Braga virou o treinador com a maior sequência de vitórias no Brasileirão Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Vamos fazer uma viagem no tempo. Quem acompanhava as transmissões da Fórmula-1 com Galvão Bueno, relatando os feitos de Ayrton Senna nas manhãs de domingo, lembra que o narrador da Globo usava a expressão "na ponta dos dedos" para enaltecer todos os cuidados do piloto brasileiro para conduzir a McLaren nas últimas voltas da corrida até a vitória.

É possível fazer uma analogia com o momento vivido pelo Inter no Brasileirão. Com vantagem aberta em relação aos principais adversários na briga pelo título — Flamengo e Atlético-MG — o Colorado só depende dele para cruzar a linha de chegada na frente dos rivais. O time de Abel Braga necessita manter a cabeça no lugar. Jogar com a tranquilidade de saber que tem a vantagem. Mas isso não pode significar acomodação. 

Leia mais
Inter é o terceiro time com maior número de pênaltis marcados a favor no Brasileirão
Cinco jogos de jejum: última vitória do Inter na Arena da Baixada foi em 2014
Quanto falta para o Inter conquistar o tetra do Brasileirão

Apesar da importante vitória, a partida contra o Bragantino mostrou um Inter com algumas dificuldades. O próprio Abel Braga falou, na entrevista coletiva pós-jogo, que o desempenho da equipe na primeira etapa foi apenas razoável. 

Tanto que o treinador sacou Caio Vidal no intervalo. O guri criou pouco no ataque. Muito isolado na frente, Yuri Alberto teve que batalhar contra os marcadores. Praxedes ficou abaixo do desempenho das partidas anteriores. Quando foi colocado em campo, Marcos Guilherme, entrou com tarefas de marcação. Após a vantagem do 2 a 1, no segundo tempo, o Colorado foi entocado pelo time paulista no campo de defesa. É uma postura perigosa. 

No final, o Inter correu muitos riscos de sofrer gols. Se não fosse Marcelo Lomba, o resultado seria outro. É hora de foco total. Corrigir os pequenos problemas, com pé no chão. Conduzir a reta final do Brasileirão "na ponta dos dedos".

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros