Luciano Périco: o Inter quer mudar não mudando - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Resposta09/06/2021 | 07h00Atualizada em 09/06/2021 | 07h49

Luciano Périco: o Inter quer mudar não mudando

Receita apontada pelo ex-presidente Pedro Paulo Záchia, na década de 1990, manteve o técnico Celso Roth no cargo quando a equipe vivia uma crise de desempenho dentro de campo

Luciano Périco: o Inter quer mudar não mudando Cesar Olmedo / POOL/AFP/POOL/AFP
Taison será titular na equipe colorada para encarar o Vitória Foto: Cesar Olmedo / POOL/AFP / POOL/AFP

A grande questão do jogo contra o Vitória é saber como o Inter vai reagir após a violenta pancada sofrida em Fortaleza. O confronto terá que marcar um recomeço do trabalho de Miguel Ángel Ramírez. Uma correção de rota em meio à turbulência. Hora de mudar. Claro, que não será o momento para o treinador radicalizar na escalação. Mas será necessário ser cirúrgico nas escolhas. Não creio que o time baiano, que trocou o comando técnico com a chegada de Ramon Menezes, vá criar grandes dificuldades para o Colorado. Com a vantagem de poder empatar, a vaga está na mão.

O primeiro ponto para o treinador espanhol é recolocar os titulares importantes que ficaram de fora da equipe no Castelão, a começar por Cuesta, Edenílson e Taison. Por aí, o time já cresce muito em qualidade. 

Ramírez terá que encontrar um substituto para Lucas Ribeiro com problema no tornozelo. A melhor opção ainda é Pedro Henrique, que leva vantagem sobre Zé Gabriel por ser zagueiro de origem. Hora de dar nova chance para Johnny. Manter Patrick no meio-campo, como sempre jogou. Não como ponteiro preso na linha lateral. 

Leia mais
Definição de uma base e sequência para Daniel e Johnny: as novidades preparadas pelo Inter
Marcelo Lomba vai completar 200 jogos atuando pelo Inter
Winck crê que Inter pode evoluir com contratação de diretor técnico: “É importante ter alguém que conheça o vestiário”

Mesmo com o retorno de Palacios da seleção chilena, a dupla, Thiago Galhardo e Yuri Alberto, deve unir forças na frente. A resposta anímica do grupo também terá que ser enérgica. Isso é o mais importante em um cenário negativo. Mas do que confirmar a classificação na Copa do Brasil no duelo com os baianos, Ramírez precisa salvar o seu trabalho.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros