Luciano Périco: o desafio do Inter é manter a ideia de futebol apresentada contra o Flamengo - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Continuidade10/08/2021 | 08h00Atualizada em 10/08/2021 | 08h00

Luciano Périco: o desafio do Inter é manter a ideia de futebol apresentada contra o Flamengo

Colorado volta ao Brasileirão para encarar o Fluminense no domingo (15) dentro do Beira-Rio

Luciano Périco: o desafio do Inter é manter a ideia de futebol apresentada contra o Flamengo THIAGO RIBEIRO / AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO
Apesar do 4 a 0, com três gols de Yuri Alberto, Inter não pode se deslumbrar Foto: THIAGO RIBEIRO / AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO / AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

Diego Aguirre resumiu muito bem o momento do Inter, após o chocolate de 4 a 0 aplicado no Flamengo de Renato Portaluppi no domingo (8). Com razão, o treinador afirmou que as coisas estavam tão ruins, quando o Inter não ganhou algumas partidas e que agora, nem tudo está perfeito, depois do desempenho luxuoso dentro do Maracanã. 

A lembrança para o contraponto é a atuação muito fraca contra o Cuiabá. Por isso, como Aguirre alertou, não dá para se deslumbrar. É necessário achar um meio termo. Dificilmente, vai se repetir o banho de bola mostrado do Rio de Janeiro. Assim como, a inexplicável falta de vontade da equipe durante os 90 minutos na última partida no Beira-Rio voltará a acontecer. 

Leia mais
Inter volta a Porto Alegre e tem "semana cheia" para definir time que enfrenta o Fluminense
Desenho Tático: a estratégia de Aguirre e o domingo perfeito do Inter na goleada sobre o Flamengo

Simplificar o esquema de jogo foi o grande mérito da ideia de jogo de Aguirre. Reagir a proposta do Flamengo. É o jeito que o grupo do Inter funciona melhor. Assim como Abel Braga cansou de fazer na temporada passada com grandes resultados. Uma sequência de vitórias históricas, que levou a um improvável vice-campeonato. E o título do Brasileirão não veio por um detalhe. 

Contra o Fla, Edenilson e Patrick voltaram a atuar onde rendem mais. Até mesmo a dupla Dourado e Lindoso - que critiquei aqui em GZH - deu certo no Rio de Janeiro. Mas não acredito que funcione a longo prazo. Taison deve seguir com mais liberdade para ficar perto de Yuri Alberto. Bruno Méndez não inventa na zaga. Em resumo, não há problema em atuar, sem propor o jogo. 



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros