Lelê Bortholacci: domingo para bom público no Beira-Rio - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão colorada30/04/2022 | 10h00Atualizada em 30/04/2022 | 10h00

Lelê Bortholacci: domingo para bom público no Beira-Rio

Inter enfrenta o Avaí pela quarta rodada do Brasileirão

Lelê Bortholacci: domingo para bom público no Beira-Rio Omar Freitas/Agencia RBS
Mano Menezes comandará o Inter pela primeira vez no Beira-Rio neste domingo Foto: Omar Freitas / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Depois de duas vitórias longe de casa, chegou a hora de Mano Menezes estrear como treinador colorado no Beira-Rio. Se nesta temporada a torcida ainda não havia comparecido em massa no nosso estádio, porque o futebol praticado e os resultados não empolgavam, chegou a hora de apoiar mesmo que a previsão seja de chuva pro domingo. 

A conquista de uma vitória significará, com certeza, a permanência na zona da Libertadores e, dependendo dos resultados paralelos, até a liderança do Brasileirão, algo inimaginável há duas semana. Além da estreia de Mano no gigante, Taison e Moledo podem reforçar, e melhorar, o time. E ainda tem promoção para sócios que não pagam ingressos se estiverem em dia. Motivos não faltam para termos bom público neste domingo.

Leia mais
Presidente do Inter fala sobre finanças do clube e negociação com Bruno Méndez: "Chegaremos a um bom termo"
Mano Menezes 2.0: nova versão do técnico do Inter se aproxima da torcida colorada nas redes sociais
Técnico que transformou Alemão em centroavante celebra bom momento no Inter: "Sempre foi muito dedicado"

A impunidade que incentiva os atos racistas

Foi uma semana triste para o futebol. Em pelos menos dois jogos da Libertadores e um da Sul-Americana foram registradas imagens de torcedores argentinos e chilenos imitando macacos direcionados a torcedores brasileiros. 

Nos episódios ocorridos na Argentina e no Chile absolutamente nada foi feito. No caso do Brasil, no estádio do Corinthians, a polícia prendeu o torcedor do Boca, mas bastou ele pagar uma fiança de R$ 3 mil para ser liberado e voltar para seu país como se nada tivesse acontecido. 

A Conmebol, que organiza as duas competições — como de costume — nada fez. E o futebol segue sendo sinônimo de impunidade para esses criminosos, porque racismo é crime. Vivemos tempos realmente muito sombrios.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros