Lelê Bortholacci: o último ato de gala de D'Alessandro - Inter - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão colorada18/04/2022 | 07h00Atualizada em 18/04/2022 | 08h05

Lelê Bortholacci: o último ato de gala de D'Alessandro

Inter venceu o Fortaleza por 2 a 1 na última partida do camisa 10

Lelê Bortholacci: o último ato de gala de D'Alessandro Jefferson Botega / Agencia RBS/Agencia RBS
D'Ale foi homenageado no Beira-Rio Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Foi uma vitória de acordo com o que merecia Andrés D’Alessandro. De virada, passando por cima de uma arbitragem muito ruim e com o gringo sendo protagonista. Os 41 anos recém completados não impediram que ele participasse ativamente do jogo o tempo inteiro que esteve em campo. 

Mais do que isso: no momento em que o Internacional afundaria psicologicamente - faz tempo que esse time não consegue encontrar forças para reagir quando sofre um revés - foi ele quem fez ressurgir a esperança da torcida. Um golaço. 

Leia mais
Interino do Inter explica opção por D'Ale como titular contra o Fortaleza e cita "legado de Medina"
Cotação GZH: confira as notas dos jogadores do Inter na vitória sobre o Fortaleza
O último tango: como foi a despedida de D'Ale do Inter

No jogo da despedida. Uma injeção de ânimo que contagiou os companheiros e devolveu o Inter ao jogo. O inacreditável roteiro da noite ainda teve pênalti perdido pelo Fortaleza e gol de um jogador que é torcedor colorado declarado. Uma noite inesquecível. 

Em pleno domingo de Páscoa, D’Alessandro fez o Internacional ressuscitar em muitos aspectos. Um verdadeiro último ato de gala de um dos maiores jogadores da história do clube do povo.

Uma mania que precisa ser corrigida

As vezes é bem difícil de entender o que se passa na cabeça de um jogador de futebol. Em menos de dez minutos de bola rolando ontem no Beira-Rio já dava pra ver que o árbitro era daqueles que “deixam o jogo rolar”, marcando pouquíssimas faltas mas, mesmo assim, em diversas oportunidades, vi jogadores tentando simular faltas que, certamente, não seriam marcadas. Isso precisa mudar.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros