Cacalo: "O gol com a mão" - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

Paixão Tricolor19/09/2017 | 07h00Atualizada em 19/09/2017 | 07h00

Cacalo: "O gol com a mão"

Falando em arbitragem, para que servem os auxiliares de linha do gol?

Cacalo: "O gol com a mão" Reprodução/RBS TV
Foto: Reprodução / RBS TV
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

Debate-se ao longo do país a questão do gol marcado pelo centroavante Jô. Que foi com o braço, ninguém discute, e ele se equivocou ao dizer que não sabia onde a bola havia batido.

Pode-se dividir em duas as premissas deste gol polêmico. A primeira delas, amplamente debatida, é se o jogador agiu com ética pessoal, ao não afirmar que a bola bateu em seu braço. E tudo isso devido ao seu envolvimento naquela jogada com Rodrigo Caio. Se ele afirma que tocou no braço, o árbitro poderia anular o gol, e considero injusta esta eventual anulação. Não havia espaço para debate com a arbitragem.

Por outro lado, quem jogou futebol, bem ou mal, não interessa, sabe que o lance foi normal. Por quê? Jô atirou-se em direção à bola tentando o cabeceio e errou, ou seja, não alcançou a bola, que, ato contínuo, foi bater em seu braço, pois ele vinha correndo, jogando-se gol adentro, e não poderia de forma nenhuma recolher o braço. Claramente não houve intenção de fazer o gol irregular. Foi aquilo que, historicamente, se denomina bola na mão.

Sem intenção

Ora, como poderia ser punido o jogador que não teve a intenção de praticar o ato faltoso de mão na bola? Salvo se houve mudança radical na regra, como alguns me disseram, que não importa a intenção. Bateu na mão, é considerado toque ilegal. Neste caso, tem havido dezenas de erros de arbitragem em todos os jogos.

Falando em arbitragem, para que servem os auxiliares de linha do gol?

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros