Zé Victor Castiel: "Guto não deu o braço a torcer" - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

Paixão colorada13/11/2017 | 07h00Atualizada em 13/11/2017 | 07h00

Zé Victor Castiel: "Guto não deu o braço a torcer"

Treinador colorado não aceitou fazer mudanças no esquema da equipe e acabou caindo

Zé Victor Castiel: "Guto não deu o braço a torcer" Carlos Macedo/Agencia RBS
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS
Zé Victor Castiel
Zé Victor Castiel

contato@zevictorcastiel.com

Nunca deixarei de dar o crédito pela classificação virtual do Internacional. 

Inclusive venho dizendo aqui, faz tempo, que o ex-técnico Guto Ferreira tem o mérito de ter concebido um esquema que se mostrou eficaz em determinado momento da competição, fazendo, inclusive, com que o Inter desse mostras de que iria alcançar seu objetivo sem percalços. O pragmatismo foi eficaz enquanto os adversários, que sempre viram o Internacional como o time a ser batido, não tinham o antídoto. 

A sequência vitoriosa encerrou-se exatamente quando os adversários descobriram como Guto esquematizava o Inter. Neste momento, quando todos clamavam por modificações no esquema, começou a derrocada. Isso aconteceu porque nunca foi dada uma chance para outro esquema de jogo ou uma variação.

Em momento algum tivemos a oportunidade de ver uma real vontade de se colocar em campo Camilo ao lado de D'Alessandro, armando o jogo, porque Guto não abria mão das funções exercidas por Sasha, que se tornou valioso por ser o homem da "recomposição".

Abraçado ao esquema

No impedimento de Sasha, Camilo foi instruído a fazer as mesmas funções, o que foi um desastre. Guto jamais armou o time para tentar sufocar os adversários, preferindo usar uma postura defensiva que apequenava o Inter.

Guto Ferreira não caiu pelos resultados que obteve à frente do Colorado. Caiu porque não quis "dar o braço a torcer" quando todos sabiam que havia chegado a hora de alterar seu esquema de jogo. 

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros