Cacalo: "O time de transição" - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

"Paixão tricolor23/01/2018 | 07h00Atualizada em 23/01/2018 | 07h00

Cacalo: "O time de transição"

Tenho certeza que esses jogos servirão de lição e crescimento para todos

Cacalo: "O time de transição" Félix Zucco/Agência RBS
Meninos do Grêmio perderam para o Caxias Foto: Félix Zucco / Agência RBS
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

Na coluna de ontem, avaliando as duas partidas jogadas pela jovem equipe gremista, com um empate e uma derrota, fiz algumas considerações sobre o comando do time, especialmente seu técnico, que mostrou até agora mais virtudes do que dificuldades, embora tenha parecido ainda um pouco inexperiente, o que é absolutamente normal, pois se trata de um profissional jovem com rodagem somente pelas categorias de base. 

Pouco explorei, naquela coluna, o trabalho dos atletas. Reconheço a imaturidade dos meninos, mesmo que jogando partidas de categorias de base adquiram alguma experiência. Ainda assim, aquilo que foi dito que faltou foi a malandragem, lógico no bom sentido. Mas, mesmo inexperientes e desprovidos de alguma picardia, já estariam capacitados para desenvolver o bom futebol que mostraram. E deveriam, pelo rigor da camisa que vestem, não ter permitido, dentro do campo, a virada que sofreram. 

Percebo em todos qualidade técnica suficiente para virem a integrar o elenco profissional do clube. A minha dúvida é que, se souberam outras vezes enfrentar de igual para igual adversários da mesma categoria, não poderiam, tão somente pela diferença de idade ou pela rodagem do adversário, terem sofrido para manter um resultado positivo, com bom desempenho como estavam tendo. 

Servirá de lição

Nos clássicos de base, o que mais  se percebe é catimba, tentativa de iludir o adversário, fazer cera, ganhar  tempo, enfim adotar posicionamentos que não dizem respeito a bola propriamente dita. Repito que faltou um comando mais forte, uma orientação mais decidida, mas como afirmou o próprio técnico, os atletas dentro do campo poderiam ter tido mais senso de responsabilidade, mais bola para o mato que é jogo de campeonato, sempre se considerando que, tecnicamente, são bons jogadores e que mantinham uma considerável vantagem. Mas, tenho certeza que servirá de lição e crescimento para todos. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros