Lelê Bortholacci: "Palmeiras não teve vergonha de fazer cera durante os 90 minutos" - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Paixão Colorada27/08/2018 | 07h00Atualizada em 27/08/2018 | 07h00

Lelê Bortholacci: "Palmeiras não teve vergonha de fazer cera durante os 90 minutos"

Mas, faça-se justiça: time comandado por Felipão chegava rápido ao gol de Marcelo Lomba e soube construir boas jogadas, até porque tem grandes atletas

Lelê Bortholacci: "Palmeiras não teve vergonha de fazer cera durante os 90 minutos" Jefferson Botega/Agencia RBS
Equipe palmeirense fez 10 faltas a mais que a colorada na partida Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Foi um resultado justo. Num Beira-Rio novamente lotado, o Inter não conseguiu superar o time "alternativo" do melhor e mais caro grupo de jogadores do Brasil, que veio a Porto Alegre apenas para não perder. Não teve vergonha de fazer cera durante os 90 minutos, com direito a simulações constrangedoras. 

Leia mais
O que disseram os jogadores do Inter após o empate contra o Palmeiras no Beira-Rio
Odair elogia Felipão e fala sobre empate do Inter com o Palmeiras: "Foi justo"
Felipão elogia trabalho de Odair e destaca "conceitos que aplica dentro de campo"

Além disso, o Palmeiras bateu sem dó — fez 24 faltas contra 14 do Inter — com a complacência do árbitro Bruno Arleu de Araújo, que viu Marcos Rocha impedir três contra-ataques agarrando jogadores do Inter pela camisa, sem dar cartão. 

Aliás, sobre o "nível" técnico do árbitro, ele não teve nem a capacidade de ver, antes do jogo, que os uniformes cinza e verde gerariam confusão. Precisou de 45 minutos para se dar conta disso. Patético.

Mas, faça-se justiça: mesmo com toda a cera, o Palmeiras chegava rápido ao gol de Marcelo Lomba e soube construir boas jogadas, até porque tem grandes atletas. E, como eu sempre digo, se quiser ser campeão, o Inter precisa superar arbitragens ruins, times retrancados e tudo o mais. 

No domingo (26), algumas individualidades que vinham jogando em alto nível ficaram abaixo, como Patrick, Edenilson e Nico López. Óbvio que a própria postura defensiva do Palmeiras dificultou, mas, efetivamente, o Inter ameaçou muito pouco.

Resultado normal

As substituições feitas por Odair Hellmann no segundo tempo deram mais ímpeto ao time, mas não foram suficientes. 

O empate frustra pelo fato de o São Paulo ter vencido o Ceará. Porém, é um resultado normal dentro de um contexto em que o Inter segue vice-líder e não toma gol há seis jogos.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros