Cacalo: "Por que as pessoas tratam diferente um lance que acontece na Libertadores?" - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Paixão Tricolor21/09/2018 | 07h00Atualizada em 21/09/2018 | 07h00

Cacalo: "Por que as pessoas tratam diferente um lance que acontece na Libertadores?"

Repercussão do caso Dedé e bem diferente daquela de quando Miller Bolaños sofreu uma cotovelada em um clássico Gre-Nal

Cacalo: "Por que as pessoas tratam diferente um lance que acontece na Libertadores?" Brunno Haddad/Cruzeiro / Divulgação
Momento do choque entre Dedé e o goleiro Andrada, do Boca Juniors Foto: Brunno Haddad / Cruzeiro / Divulgação
Cacalo Silveira Martins
Cacalo Silveira Martins

cacalo@diariogaucho.com.br

Lances semelhantes, diferentes apenas na intenção, quando ocorrem na Libertadores, tornam-se manchetes mundiais. É a força da principal competição sul-americana. O goleiro Andrada, do Boca Juniors, fraturou a mandíbula na dividida com o zagueiro Dedé, do Cruzeiro. Obviamente, todo mundo viu que foi uma jogada casual, sem nenhuma intenção do atleta cruzeirense, mas a repercussão foi incrível. 

Leia mais
Jean Pyerre sobre Gauchão com grupo de transição: "Reconhecemos que erramos em muitas coisas"
O esquema usado na Argentina pode ser uma alternativa a longo prazo para o Grêmio?
Após polêmica com Dedé, Mano lembra erro em decisão do Grêmio em 2007: "Prometeram que as coisas mudariam"

Algum tempo atrás, o atacante Miller Bolaños, do Grêmio, sofreu uma cotovelada num Gre-Nal e tivemos que ouvir, inclusive, que havia sido simulação do jogador gremista e que ele teria se machucado em outro momento. A lesão fez com que Bolaños ficasse parado por um longo tempo depois de uma cirurgia.

Os que disseram isso são os mesmos que analisam agora, sob outra ótica, a jogada da Libertadores. Será que foi somente a diferença de repercussão que levou a essas conclusões tendenciosas à época? Tenho convicção que não. 

Claro que, naquele momento, houve outros motivos, que sinto-me até constrangido em repetir, tamanha a desfaçatez das avaliações. Mas vida que segue, cada um com a sua consciência. 

Manhã de domingo

Num horário que tem se demonstrado bastante apropriado para o futebol, no domingo, às 11h, o Tricolor volta a campo para enfrentar o Ceará, do competente técnico Lisca, que de doido não tem nada. Tem, sim, inteligência, estratégias, vontade de vencer, e seu time será um duro adversário para o Grêmio. 

Assim, a torcida gremista deverá se fazer presente na Arena e apoiar a equipe na busca pelos três pontos.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros