Lelê Bortholacci: "O Brasileirão ainda não acabou" - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 

Paixão colorada05/11/2018 | 07h00Atualizada em 05/11/2018 | 07h00

Lelê Bortholacci: "O Brasileirão ainda não acabou"

Gol de D'Alessandro permite ao Inter seguir sonhando com o título

Lelê Bortholacci: "O Brasileirão ainda não acabou" Félix Zucco/Agencia RBS
Virada colorada foi comandada pela técnica exuberante de D'Alessandro Foto: Félix Zucco / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Tenho uma teoria que time inteiramente reserva joga melhor que time misto, porque treina junto sempre. E foi justamente contra um Atlético-PR 100% reserva que o Inter teve muitas dificuldades, jogou bem abaixo do que a torcida esperava e acabou vencendo de virada, com um gol marcado em um pênalti inexistente. A banca segue pagando e recebendo. Só não acredita quem não quer. 

Leia mais
"Estamos na disputa", garante Marcelo Lomba após vitória do Inter sobre o Atlético-PR
Vice de futebol do Inter mantém discurso sobre VAR, mas diz: "Aconteceu o pênalti"
Tiago Nunes reclama da arbitragem contra o Inter: "O Atlético-PR é a equipe mais prejudicada do Brasil"

A proposta do Furacão era bem clara: não deixar o Inter jogar, fazer cera e contra-atacar. E conseguiram. No primeiro tempo, não fossem os escanteios, a bola não teria rondado o gol deles. Mas o que faltou de emoção no primeiro tempo, sobrou no segundo.

Quando o Inter resolveu se ligar no jogo, Odair Hellmann tirou Damião e ninguém entendeu. Ainda mais quando Patrick perdeu uma bola fácil na intermediária e o Furacão abriu o placar. A partir daí, foi mais na vontade do que na bola. Mas foi. Comandados pela técnica exuberante de D'Alessandro, pela vontade contagiante de Wellington Silva — que entrou justamente no lugar de Damião — e por uma torcida fantástica, o Inter virou o jogo nos acréscimos e segue cinco pontos atrás do líder Palmeiras. O Brasileirão ainda não acabou.

Muda-se a lógica

Gostei do tom dos discursos futebolísticos nessa semana que passou aqui na aldeia. Ficou em um passado não muito distante a máxima de que "o mundo é dos espertos". A partir de agora, a ética passa a ser questão primordial no esporte que tanto amamos. Que assim seja!

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros