Luciano Périco: o fundo do poço do Cruzeiro - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Lá embaixo21/05/2020 | 09h00Atualizada em 21/05/2020 | 09h00

Luciano Périco: o fundo do poço do Cruzeiro

Time mineiro vai começar a Série B com seis pontos a menos na tabela de classificação

Luciano Périco: o fundo do poço do Cruzeiro Vinnicius Silva / Cruzeiro/Cruzeiro
Time mineiro vive inferno astral Foto: Vinnicius Silva / Cruzeiro / Cruzeiro

Pensamos juntos. Se você que está lendo, não pagar uma conta, terá que quitar o valor com juros. Se o débito permanecer, será punido com o nome sujo na praça, sem poder fazer outras contas. No futebol, agora vai começar a ocorrer o mesmo. O Cruzeiro, no seu inferno astral após a queda para a segundona, vai se incomodar por não pagar o que deve. 

Leia mais
Cruzeiro é punido pela Fifa e começará a Série B com seis pontos a menos, diz rádio mineira
Mano Menezes cobra R$ 5,3 milhões do Cruzeiro na Justiça

A Fifa já comunicou a CBF, que a Raposa vai começar a Série B com seis pontos a menos na tabela de classificação. Não pagou pelo empréstimo do volante Denilson em 2016, que estava no Al-Wahda. Os cofres estão raspados. Não cabe recurso. O valor era de R$ 5 milhões. Agora o Cruzeiro terá cinco meses para pagar. Se manter o calote, a punição será um novo rebaixamento para a série C. Há outros problemas à vista. Vida dura.

ROLO SEM FIM

O Cruzeiro está envolvido ainda em de uso mal explicado dos cartões corporativos do clube. Na gestão do ex-presidente Wagner Pires de Sá, o clube pagou 565 euros, equivalente a R$ 2.642 na época, para gastos do comandante e outros dirigentes em uma casa noturna adulta em Portugal. O ex-dirigente alega que foram gastos apenas com alimentação.

ACORDA, CABOCLO

Os times da série B, incluindo Brasil e Juventude, esperam uma resposta da CBF para o pedido de socorro financeiro com a paralisação da temporada. O primeiro contato feito há duas semanas. A entidade sequer deu retorno. Os clubes pedem um auxílio de R$ 60 milhões. Não irão desistir tão fácil. É a hora da rica CBF, que teve lucro no ano passado, ser ágil em prol dos seus filiados. 

BOCA NO TROMBONE

Não tá barbada para ninguém. O atacante Marinho veio a público reclamar que não recebeu do Santos o valor referente ao direito de imagem nos últimos quatro meses. Antes, a diretoria cortou, sem negociar, 70% dos salários dos funcionários que ganham mais de R$ 6 mil. A medida desagradou os atletas que recebem pela carteia do trabalho. Tensão à vista na Vila Belmiro.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros