Lelê Bortholacci: aposta na base é garantia de rentabilidade - Esporte - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Paixão colorada30/06/2020 | 08h00Atualizada em 30/06/2020 | 08h00

Lelê Bortholacci: aposta na base é garantia de rentabilidade

Está mais do que na hora de o Inter voltar a ser um clube formador e vendedor

Lelê Bortholacci: aposta na base é garantia de rentabilidade Ricardo Duarte/Inter/Divulgação
Inter conquistou a Copa São Paulo de Futebol Júnior em 2020 Foto: Ricardo Duarte / Inter/Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Como eu escrevi na segunda-feira (29), a importância do papel de Eduardo Coudet no aproveitamento de jovens no Beira-Rio vai muito além da descoberta de novos talentos para que tenhamos bons times e possamos disputar títulos. Isso é uma questão de sobrevivência e de estabilidade financeira para o clube. 

Vejam o exemplo aqui do nosso lado: em plena pandemia, com as receitas minguadas, renegociando salários de jogadores — para pagar durante os anos de 2021 e 2022 — o Grêmio recebe a notícia da entrada de aproximadamente R$ 15 milhões milhões em seu caixa, referentes à venda de Arthur, do Barcelona para a Juventus. 

Esse dinheiro não "caiu do céu". Ele é resultado de um trabalho. É uma equação bem lógica: quanto mais se investir na base, mais rentabilidade o clube terá. É claro que, primeiro, queremos jogadores que nos deem títulos, mas é inevitável que os mercados mais ricos nos levem os jogadores ainda novos. 

Leia mais
Relembre os fatos que construíram a desgastada relação do Inter com a Turner
A nova função planejada por Coudet para William Pottker no Inter
FGF espera definir nesta semana data de retorno do Gauchão

Sempre foi assim e a tendência é que, com a crise que se avizinha, fique ainda mais fácil para os grandes clubes europeus — ou os endinheirados chineses, árabes, entre outros — buscarem os jovens que se destacam no Brasil. 

O caso de Arthur, por ser atual, é apenas um exemplo. Mas eu poderia citar diversos casos de jogadores que saíram do nosso Celeiro de Ases, como Pato, Taison, Sobis e mais dezenas de atletas que levantaram taças com a camisa vermelha, foram embora e seguiram gerando receita pro clube, pelo mecanismo da Fifa. 

Nova realidade

Está mais do que na hora de o Inter voltar a ser um clube formador e vendedor. A nova realidade financeira do futebol exige isso. Quem remar contra será arrastado pela correnteza.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros