Lelê Bortholacci: a diferença no Inter tem nome: Edenilson - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão Colorada21/09/2021 | 08h00Atualizada em 21/09/2021 | 08h00

Lelê Bortholacci: a diferença no Inter tem nome: Edenilson

Colorado se estabilizou como time

Lelê Bortholacci: a diferença no Inter tem nome: Edenilson Ricardo Duarte / Inter,Divulgação/Inter,Divulgação
Edenilson faz toda a diferença neste Inter que se recupera no Brasileirão e mostra que o vice-campeonato de 2020 foi, realmente, uma questão resolvida no detalhe Foto: Ricardo Duarte / Inter,Divulgação / Inter,Divulgação
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Os sete jogos de invencibilidade mostraram que o Inter se estabilizou como time. Muito pela solidez defensiva com a chegada de Bruno Méndez — onde a média  de gols sofridos caiu de 1,2 pra 0,6 por jogo — ou pela efetividade de um jogador que, talvez, viva o melhor momento da sua carreira: Edenilson. 

A chegada à seleção — mesmo que tenha acontecido pela ausência dos "estrangeiros" — apenas comprovou que este jogador atingiu um nível técnico acima da média. Você lembra quantas vezes um meio-campista esteve como um dos goleadores do Brasileirão

Pois bem, nosso camisa 8 lidera a artilharia, mesmo disputando com atletas do quilate de Hulk, Bruno Henrique, Fred e Gabigol — só pra citar alguns atacantes — e que possuem muito menos responsabilidade num esquema tático do que um meia. Edenilson faz toda a diferença neste Inter que se recupera no Brasileirão e mostra que o vice-campeonato de 2020 foi, realmente, uma questão resolvida no detalhe.

Leia mais
Vice de futebol do Inter nega investida em Daniel Alves
Inter pode ter dupla de jovens laterais como titulares pela segunda vez
Inter tem a segunda maior série invicta em andamento no Brasileirão

Mesmo com toda a ressaca da temporada passada e os erros administrativos no início desta — alguém aí ainda lembra de Miguel Ángel Ramírez? —, o Inter, de novo, vai se estabelecendo na briga da parte de cima da tabela. Mesmo que o título esteja fora de cogitação, já se vão sete jogos sem derrota. 

Com estes números fica complicado criticarmos o treinador, mas algumas insistências chamam muito a atenção. Principalmente os casos de Patrick e Moisés que, pelo menos nos jogos que temos visto, não justificam suas escalações.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros