José Augusto Barros: calma com a gurizada do Grêmio - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão Tricolor17/01/2022 | 08h00Atualizada em 17/01/2022 | 08h00

José Augusto Barros: calma com a gurizada do Grêmio

Time de transição perdeu por 1 a 0 para o Próspera-SC, que disputa a Série D

José Augusto Barros: calma com a gurizada do Grêmio Rodrigo Fatturi / Grêmio/Grêmio
Mancini e comissão técnica observaram a gurizada em jogo-treino Foto: Rodrigo Fatturi / Grêmio / Grêmio

Nessas primeiras semanas do ano, sempre é importante observar os jogadores do chamado time de transição, que representará o Grêmio nas primeiras rodadas do Gauchão, que já começa no meio da semana que vem. Neste final de semana, deu para ter uma primeira ideia das possíveis dificuldades que enfrentaremos nas rodadas iniciais, usando a gurizada. 

No sábado, a equipe comandada por Cesar Lopes perdeu por 1 a 0 para o Próspera-SC, que disputa a Série D, no CT Hélio Dourado, em Eldorado do Sul. Sinceramente, é um resultado que pouco me preocupa. 

Ouvindo atentamente debates de colegas durante a semana passada, me lembrei que o tema tratado entre eles têm a ver com a derrota do time de transição neste final de semana: a impaciência com jovens da base, (péssima) cultura que temos no futebol gaúcho. 

Leia mais
Sob os olhares de Mancini, time de transição do Grêmio é derrotado em jogo-treino
Grêmio avança nas conversas pela renovação de contrato com Ferreira
Douglas Costa e Rodrigues testam negativo para covid-19 e iniciam pré-temporada no Grêmio

Aqui, qualquer guri da base que erra dois ou três passes já é vaiado pela torcida, sem dó, nem piedade. Daí, para o guri não jogar nada, é um passo. 

Com o time de transição, a mesma coisa. Se a gente largar mal no Gauchão, já vai chegar aquela cobrança, que não podemos perder pra time do Interior, apressar a volta dos titulares e não deixar os guris de desenvolverem.

Aposta na base

Para 2022, ano que as exigências serão muito menores que em outros anos, visto que não disputaremos Libertadores nem Série A do Brasileirão, penso que deveríamos deixar esses guris jogarem o máximo de tempo. Ou alguém acha que, na base, não temos um volante melhor que Thiago Santos? Eu tenho certeza que sim. 

Mas, evidentemente, ele tem lugar cativo no time, com qualquer treinador. E essa atitude repetida não deixa que jovens promissores, e melhores, certamente, que Thiago Santos, apareçam. Como eu acredito que o grupo do Grêmio está bem adequado para este ano, espero que a direção não faça investimentos errados em medalhões. 

Que invista, sim, na base.  


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros