Lelê Bortholacci: os interesses dos conselheiros do Inter nem sempre coincidem com o que é melhor para o clube - Esporte - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Paixão Colorada13/05/2022 | 08h00Atualizada em 13/05/2022 | 08h00

Lelê Bortholacci: os interesses dos conselheiros do Inter nem sempre coincidem com o que é melhor para o clube

Se há uma investigação em curso, que se aguarde o final dela para se tomar qualquer atitude

Lelê Bortholacci: os interesses dos conselheiros do Inter nem sempre coincidem com o que é melhor para o clube Mateus Bruxel / Agencia RBS/Agencia RBS
Disputa política não pode falar mais alto do que realmente importa Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS / Agencia RBS
Lelê Bortholacci
Lelê Bortholacci

lele@atlantida.com.br

Impressionante como a política num clube de futebol pode ser ainda pior do que a política partidária. Essa questão da última eleição colorada, que veio a público nos últimos dias só comprova que os interesses dos nossos conselheiros nem sempre coincidem com o que é melhor para o clube. 

Se há uma investigação em curso, que se aguarde o resultado final dela para se tomar qualquer atitude. O laudo vazado mostra que houve, sim, problemas no sistema de votação — e isso deve ser investigado até o final —, mas também concluiu que a falha não interferiu no resultado final do pleito. 

Então, fica o exemplo para que na próxima eleição sejam contratadas outras empresas para realizarem o processo e que garantam a segurança total do sistema. 

Leia mais
Cássio faz tratamento contra dores na coxa e é dúvida para o duelo contra o Inter
Relembre os últimos encontros entre Inter e Corinthians no Estádio Beira-Rio
Inter celebra acordo com três investidores para o futebol feminino

Mas o que realmente me entristece é que a disputa politica fala mais alto que o que realmente importa nesse caso: descobrir o que realmente aconteceu no processo de votação. Isso seria o melhor para o clube, ao invés de declarações dúbias — algumas até levianas — que levam boa parte da torcida a suspeitar da lisura da maior votação da história de um clube de futebol brasileiro. 

Os motivos que me levaram a sair do Conselho Deliberativo do Internacional — fui conselheiro por 8 anos — seguem rigorosamente os mesmos. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros