Artesão ganha a vida fazendo brinquedos pedagógicos - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

17/03/2012 | 13h36

Artesão ganha a vida fazendo brinquedos pedagógicos

No Dia do Artesão, o Diário Gaúcho apresenta Marcos Josife de Medeiros Blauth, que herdou do pai o gosto pela marcenaria

Artesão ganha a vida fazendo brinquedos pedagógicos Andréa Graiz/Agencia RBS
Marcos faz a alegria da criançada Foto: Andréa Graiz / Agencia RBS

A herança mais valiosa que o artesão Paulo Filber, um dos fundadores da Feira do Bom Fim, deixou para o filho Marcos Josife de Medeiros Blauth, 38 anos, foi seu catálogo de peças infantis. O álbum de fotos inspirou Marcos e o fez descobrir o talento que corria em suas veias.

Menino, observava o pai na marcenaria, em Porto Alegre, construindo brinquedos pedagógicos para exposição em sua famosa banca. Não imaginava que a técnica se transformaria em filosofia de vida e que o ensinaria a conviver com as pessoas de forma mais solidária.

A descoberta de um talento

Até os 18 anos, Marcos não estava certo se seguiria os passos do pai. A mãe, Berenice Aurora, 65 anos, que hoje mora no Ceará, acompanhava o trabalho do marido e ensinava os quatro filhos a entender o que era moldado na madeira.

Em busca de independência, Marcos investiu no ramo da Informática. Viajou para São Paulo, onde ficou por oito anos, mas descontentou-se com a profissão. Com a morte precoce do pai, aos 39 anos, decidiu voltar às origens e encarar o desafio de construir brinquedos pedagógicos.

– Precisava resgatar o legado dele, mas desconhecia o meu potencial – lembra o morador do Bairro Niterói, em Canoas.

A mulher Flávia Moraes, também artesã, 38 anos, participa das exposições junto com o filho do casal Marcos Antônio, 14 anos.

– Gosto de deixar as crianças contentes e saber que ajudamos no aprendizado – conta.

A missão de ensinar

Marcos compreende o artesanato como uma função social. O brinquedista estuda para que o seu trabalho seja útil às crianças com necessidades especiais, às quais dá preferência no atendimento em sua banca no Brique da Redenção.

O Dia do Artesão é comemorado nesta segunda. Realizado com a sua profissão, Marcos resume o que colhe da venda de seus brinquedos:

– O maior pagamento das minhas criações é um sorriso espontâneo e a satisfação de um pequeno.

Confira no vídeo como funciona o trabalho de Marcos:

DIÁRIO GAÚCHO

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros