Escola Superior de Educação Física da UFRGS ampliará campus na Capital - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Novas instalações28/08/2012 | 06h04

Escola Superior de Educação Física da UFRGS ampliará campus na Capital

Aumento no número de cursos e estudantes motiva a intervenção no local

Ainda este ano, as primeiras obras que atacarão os principais problemas da Escola Superior de Educação Física (Esef) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) deverão sair do papel.

Inflada por novos cursos, a Esef depende de novas instalações e melhorias para manter o atendimento adequado aos alunos.

De uma população estudantil na faixa dos 750 a 800 estudantes, a Esef passou para mais de mil nos últimos três anos com a criação dos cursos de Fisioterapia e Dança, e ainda deverá chegar a 1,4 mil em um futuro próximo.

Atualmente, estudantes de diferentes graduações dividem espaço em ginásios e quadras. Com as novas instalações, será possível separá-los por cursos, explica o diretor da Esef, Vicente Molina Neto:

— A grande deficiência é nas salas de aula. E, para nós, o campo de futebol e a pista de atletismo também são salas de aula. Com as obras, resolveremos esse problema pelos próximos 20 anos.

Local é preparado para uma competição atlética em 2013

Salas de aula “ortodoxas”, com mesas e cadeiras, também são insuficientes. Por isso, está prevista a criação de um prédio com 7,5 mil metros quadrados, que abrigará salas de aula.

O projeto prevê, ainda, um auditório para 300 pessoas com palco móvel para apresentações de dança. Outras unidades que o campus deve ganhar são uma clínica de fisioterapia e uma creche em que os alunos poderão trabalhar com as crianças.

Além de melhorar a infraestrutura para os universitários, o objetivo das intervenções é preparar a Esef para a competição mundial de masters de atletismo em 2013. Por isso, a primeira obra a ser realizada, ainda este ano, é a reforma da pista de atletismo, que será modernizada, segundo o diretor.

No ano que vem, deve ser iniciada a construção do ginásio de judô. Atualmente, a luta é praticada no mesmo ambiente em que ginastas se exercitam.

— Eu tenho a esperança de que no início do ano esteja começando essa obra — torce o superintendente de Infraestrutura da universidade, Alberto Tamagna.

 

ZERO HORA

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros