Polícia alerta para infiltração de carros clonados no comércio de usados no RS - Diário Gaúcho

Vers?o mobile

 
 

Terceira idade na mira14/10/2013 | 11h57Atualizada em 14/10/2013 | 12h34

Polícia alerta para infiltração de carros clonados no comércio de usados no RS

Pessoas idosas estão entre as principais vítimas dos clonadores. Delegado recomenda vistoriar o veículo antes de fechar negócio

A indústria da clonagem de veículos está crescendo no Rio Grande do Sul. A cada 10 veículos furtados ou roubados, seis vão para desmanche e quatro para clonagem.

A estimativa é da Delegacia de Repressão a Roubos de Veículos (DRV), que tem se dedicado a alertar os consumidores, especialmente pessoas idosas, sobre os veículos clonados à venda.

— O nosso alerta é para que as pessoas não fechem o negócio antes de fazer uma vistoria do veículo no CRVA (Centro de Registro de Veículos Automotores) — sugere o delegado Juliano Ferreira, titular da DRV, que é vinculada ao Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Muito embora a lei permita que o comprador do veículo usado só faça a transferência para o seu nome 30 dias depois da compra, as pessoas mais cuidadosas colocam como condição para fechar o negócio a vistoria no CRVA. É uma garantia de que não estão adquirindo um veículo clonado, comenta o delegado. 

— Antes, o comprador levava um mecânico para dar a palavra final no negócio. Hoje, ele deve levar o vendedor ao CRVA para vistoriar o carro antes de comprar — aconselha Ferreira.

Pelas contas do delegado, semanalmente quatro pessoas, em média, são vítimas dos clonadores. Apesar de ser uma minoria entre as 5.153 ocorrências de furtos e roubo de veículos que aconteceram no primeiro semestre deste ano na Capital — um aumento de 16,6% sobre igual período do ano passado —, o perfil da vítima preocupa o delegado. 

— A maioria são pessoas idosas que foram atraídas para o negócio por um bom desconto — revela o delegado.

Os cuidados para evitar comprar um carro clonado

1 — A clonagem não pode ser detectada a olho nu. É necessário fazer uma vistoria no Centro de Registro de Veículos Automotores (CRVA). O endereço e as instruções de como fazer podem ser encontrados no Portal de Trânsito.

2 — A simples conferência das características do veículo — como número do chassi, cor e ano com as escritas na documentação — não é garantia.

3 — Não se deixe seduzir por desconto generoso, ele pode ser uma isca para atraí-lo.

4 — Procure anotar o máximo de informações possíveis que ajudem a identificar o vendedor.

5 — Não dê dinheiro como sinal de negócio.

O que é clonagem?
Ela surgiu há uma década. Os bandidos roubam um veículo e alteram os seus sinais identificadores — número do chassi — adotando os de um veículo legalizado de modelo e cor iguais.

O que acontece com o comprador?
Ele é tratado pela polícia como comprador de boa-fé, que não sabia o que estava comprando e entregou o veículo às autoridades. Caso ele tente vender o veículo, o tratamento muda. Passa a ser receptador e responderá a um inquérito policial.
Fonte: DRV

ZERO HORA

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros